• pt-br
Menu

Manual de bons modos…diante de uma criança que usa óculos

24 novembro 2015,   By ,   0 Comentários

Os pequenos sofrem bullying voluntário ou involuntário mais do que imaginamos. Vamos nos policiar. Já falamos mil vezes que óculos não são motivo para bullying e uma criança de óculos não precisa de pena, ela precisa de auto afirmação.

Sabemos que uma criança de óculos não é tão comum quanto se deparar com uma criança loira. Ok. Sabemos também que todos temos uma opinião e possivelmente perguntas a fazer ao pai/mão. That’s ok. Mas pense antes de fazer perguntas óbvias.

Vamos tentar evitar:

“Eles são de verdade”? Não, mané! Vivo em constante estado de Halloween!

“Qual o problema dela (criança)?” Problema nenhum! Se sua curiosidade for tamanha e você quiser mesmo saber o grau de miopia ou estrabismo ou algo assim na criança faça-o sem associar à palavra ‘problema’. E não aja com espanto. Se não for conjuntivite não é contagioso!

“Tadinho” De você, né! Numa boa, a criança está enxergando o mundo, conseguindo se desenvolver e interagir com seu entorno graças aos óculos. Não sei bem onde entra tadinho, a não ser na sua testa!

“Olha quem chegou: Harry Potter / um Minion / o garoto do Jerry Maguire / a garotinha de Little Miss Sunshine” Nenhuma das opções acima. Só uma criança mesmo, com nome e RG próprios. Quer perguntar a ela?

O primeiro passo para transformar os óculos em um necessório é fidelizar os pequenos, e isto só se faz possível diante de reforços positivos. Na próxima vez que vir uma criança de óculos pare e pense em todas as coisas negativas que você quando pequeno viveu ou viu um colega seu que usa óculos viver. Você não quer propagar isto, quer?

Matéria originalmente publicada no Portal Opticanet.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO







Já assistiu?