Masculino Archives | By The Eyewear
Techy 10’s
Raios Invernais

Chega o inverno vai o verão, mas os óculos de sol não somem jamais.

Não faz mal se não está 40 graus, os óculos são timeless. Mas apesar de ser efêmero, os designers também acompanham as tendências, então você vai com certeza ver algumas coisinhas diferentes por aí. Rapazes, este post é para vocês.

Militar: Como de praxe, o tema militar é tendência para o inverno masculino seguindo a linha aviação, portanto o modelo aviador volta com tudo (não que ele tenha sumido em algum momento, né?). Ele se renova com materiais leves como o acetato e formato mais arredondado. As lentes fogem um pouco do espelhado, mas o metal ainda está presente.

Fuja do Comum

Nas palavras de Chico, “todo dia ele faz tudo sempre igual…” (bom, quase nas palavras de Chico). Mas é assim, não é?

Maioria das pessoas acordam e colocam aquele mesmo par de óculos, faça chuva ou faça sol, e as vezes cansa, não cansa? Pois que tal fugir do comum, se libertar do tedio e da mesmice? Não precisa se sentir prisioneiro daquele um único par de óculos, nem mesmo virar colecionador e comprar um par para cada dia da semana.

Temos uma novidade que vocês vão gostar! Bem no clima Pimp Your Glasses!!! A Carrera e a Vybe lançaram modelos de óculos que podem ser modificados!

A Carrera lançou seu 7 em 1 (1 modelo com 7 estilos diferentes que você pode usar nessa armação) e a Vybe deixa você escolher todas as partes do seus óculos como você quiser, desde a haste até a lente, tudo você mesmo encaixa e muda quando quiser! Que tal matar a mesmice com essas ideias?

Have fun!

Carrera Interchangeable

Vybe make your own sunglasses

 

Combinação perfeita: Homens e óculos de sol

Feche os olhos por um minuto e tente pensar nos personagens que mais te marcaram na história do cinema. Bam!!! Certamente quase todos, se não todos, têm algo em comum: óculos de sol.

Esqueça seus atributos básicos e não entremos no mérito da saúde. O que os óculos de sol fazem por nós vai muito além. São um escudo, o anteparo perfeito para nos dar um élan, um toque de classe, de charme e de mistério. Sendo esta uma ferramenta pra lá de conveniente, não é de se estranhar que o cinema tenha se apropriado de seus recursos e o tornado item quase obrigatório na construção de personagens, muitos dos quais, emblemáticos.

Os franceses sacaram isto logo. A Nouvelle Vague, revolucionária, romântica, violenta e estilosa lançou diversos modismos. Mastroiani fez “8 ½” quase que completo sem que víssemos seus olhos. Tom Cruise, enquanto Maverick, catapultou o estilo para a estratosfera. Steve McQueen transformou-o em elemento de puro charme. Tony Montana usava-o para disfarçar suas noites de sacanagem, e a gangue mais hard core do Tarantino em “Reservoir Dogs” não seria tão bacana se não fossem os tais óculos escuros.

Veja uma seleção de óculos que migraram do status de cool a legendários. Tá certo que os atores (gatos) ajudaram a impulsionar a onda. Da próxima vez que for simplesmente vestir um par, pense no poder na narrativa de um par perfeito e se espelhe nos seus ícones. Deixe o óculos falar por você.

Jean Paul Belmondo em “À bout de Souffle
O anti-herói mais sofisticado e desejado da França. Munido, claro, de acessórios escolhidos a dedo.

Al Pacino em “Scarface
“Eu sempre falo a verdade. Mesmo quando eu minto”

8 ½” com o italianíssimo galã Marcello Mastroiani

Tom Cruise em “Top Gun

Mais um product placement para entrar para a história! Os aviators viraram peça desejo.

The Thomas Crown Affair

Steve McQueen deu aula de charme. O ano era 1968 e McQueen apareceu pela primeira vez na telona com o Persol PO 714. O filme elevou McQueen (já galã) e o PO 714 ao status de lendas, porque como ele mesmo dizia: “Não acredito em heróis meia-boca”, ou com acessórios irrelevantes.

Daniel Craig em “Skyfall”, aka, The Bond life.

Qualquer personagem do Bond vem extremamente bem assessorado. E este filme não poderia ser diferente. O modelo aviador é nada menos que o Tom Ford Marko FT0144.

Jack Nicholson em “Easy Rider”.

Sem necessidade de qualquer legenda. Eis o cara que sacou que sem seus óculos ele é um sessentão barrigudo, e com eles, é Jack-F******-Nicholson

Silvester Stalone em “Cobra

Carrera Champion Aviators: Cara da maldade.

Tom Cruise em “Risky Business

Em 1982, o então garoto Tom Cruise usou o modelo Wayfarer da Ray Ban para construir seu personagem. O modelo estava prestes a ser descontinuado, só que o galã e o filme alavancaram o modelo “too-cool-for-school” cujas vendas aumentaram 2000% em um ano! Touché!

John Belushi & Dan Aykroyd em “Blues Brothers

“Estamos há 106 milhas de Chicago, tanque cheio, meio maço de cigarros, está escuro e estamos usando óculos de sol”.

Reservoir Dogs

A turma de criminosos do Tarantino não seria tão desolada se não fosse a uniformidade nos óculos de sol.

Jamie Foxx em “Django Unchained”: Bad to the bone.

Jean Reno em “Léon the Professional”. O que dizer de um cara que adormece na poltrona sem tirar seu óculos escuro? Eis Leon, um assassino bastante charmoso.

Anthony Michael Hall em “The Breakfast Club”. Graças ao Wayfarer o menino nerd conquistou o respeito dos coleguinhas.

Johnny Depp em “Fear and loathing in Las Vegas”. Johnny Depp chega a Las Vegas circundado por uma nuvem de drogas tão absurda que nem o seu Ray Ban 3138 consegue segurar o drama! Hoje o modelo (maxi aviador) e o filme viraram cult. Ray-Ban ‘Shooter’ (apelido carinhoso) ainda está em produção.

Aviador: Dos cockpits para seu closet

Fãs do Maverick, exultai

É oficial, os roteiristas e produtores estão trabalhando na pré-produção do filme “Top Gun 2“. Filme que imortalizou a essência da década de 80, aumentou o recrutamento militar, alavancou o então jovem Tom Cruise à fama, mas mais que isto, fez do clássico modelo da Bausch and Lomb, o Aviator, uma peça épica, e necessária no guarda-roupa de qualquer fashionista.

É razoável dizer que o modelo aviador é para a Bausch and Lomb, o que a lâmina de barbear é para a Gilette. Um marco, uma peça ferozmente disseminada e copiada. O modelo aviador alcançou a meca do mundo fashion, sobrevivendo bravamente (inclusive aos fatídicos anos Disco), se reinventando e jamais se tornando uma peça cafona ou ultrapassada. Poucos óculos podem dizer o mesmo, e mais que isto, poucos itens podem estar no rosto de avôs e netos em uma mesma foto e ficar bem em todos!

A história por trás do modelo aviador é tão sensacional quanto seu design

A peça surgiu, como a maior parte das grandes invenções, de pura necessidade. Estamos nos anos 30, entre guerras, no ápice da primeira revolução da aviação militar. Os pilotos americanos estavam voando cada vez mais rápido e mais alto, desafiando leis da física. Jovens, idealistas e, claro, bem treinados, estes rapazes passaram a voar com frequência cada vez maior e por mais tempo. Os efeitos colaterais da exposição ao sol e mudança de temperatura em altitudes elevadas começaram a se fazer perceber, resultando em vista cansada, dores de cabeça e cansaço.

Foi o General Douglas MacArthur da Força Área Americana que encomendou um óculos para proteger seus pilotos.  A sacada da Bausch and Lomb (hoje conhecida como Ray Ban) foi desenhar um óculos leve, com lentes verdes em formato de lágrima que cobrissem toda extensão dos olhos, com curvatura firme atrás das orelhas e proteção UV. Eis o porquê do nome “aviador”. Ou seja, feito para aviadores militares.

Das bases militares para o mundo, digamos que não foi um salto, mas imagine jovens pilotos, com horas de combate nas costas, após o expediente, andando com jaquetas de couro, cabelo raspado e aquela cara de bravo, pelas ruas com o modelo ultra sexy e até então novidade que era o aviador? A associação do modelo à áurea das bases militares foi quase automática.

A Bausch and Lomb soube explorar muito bem seus produtos durante a Segunda Guerra (talvez tenha sido mera coincidência que o General Mc Arthur se encantou por seu modelo aviador e apareceu em cenas decisivas da Guerra com seu óculos), e em filmes hollywoodianos. O óculos passou a estar associado a homens lindos, transados e desejados. A Ray Ban começou a vender um estilo de vida, um misticismo que vai muito além do utilitarismo dos óculos e entra na esfera do desejo e do pertencimento. Quem nunca desejou ser o Maverick com seu clássico Ray-Ban Aviator 3025? Esta vontade de pertencer ao mundo da marca e tomar para si todos os valores que ela vende é tão intenso que um modelo assumidamente masculino encantou (e segue encantando) homens e mulheres com a mesma intensidade.

Hoje praticamente todas as marcas de óculos têm um modelo que presta homenagem direta ou indireta ao famoso “modelo aviador”. Uma coisa é certa: o modelo fica bem em quase todo mundo, e é uma daquelas peças chave que devem morar no nosso guarda roupa. Se nos anos 30 já havia uma preocupação com a exposição solar, qual sua desculpa para não usar seu óculos de sol todos os dias? Óculos é bacana, pode seguir tendências da moda, inegavelmente nos dá aquele ar de mistério, mas acima de tudo é proteção.

Matéria originalmente publicada no portal Opticanet.

 

Han Kjøbenhavn: Stable Sunglasses

Da Dinamarca para o mundo: design e simplicidade em uma peça única.

A marca Han Kjøbenhavn é a personificação da elegância e do design dinamarquês. As cores usadas são sempre escuras, há muitos tons monocromáticos, poucas interferências e acabamento clean. Tudo, desde a concepção até a comunicação, exala design.

A nova adição à linha de eyewear, que prima pela sofisticação muito mais do que pela ousadia, é o modelo ‘Stable’, um óculos de sol que é apenas isto, um óculos. O design se apoia em 2 formas geométricas: o círculo e o retângulo. Temos: 2 lentes circulares espelhadas e unindo-as está uma chapa de acetato fixada sobre as lentes. Apenas isto. Puro design. A peça logo estará à venda no e-commerce da marca.


Han Kjøbenhavn: Stable Sunglasses

Han Kjøbenhavn: Stable Sunglasses

Han Kjøbenhavn: Stable SunglassesHan Kjøbenhavn: Stable Sunglasses

Matéria originalmente publicada no Highsnobiety

Nem só de abotoaduras vivem os homens

O diabo mora nos detalhes, MESMO!

Fuçando (como sempre) o vasto universo digital me deparei com mais uma destas iniciativas que me fez perguntar: por que não fui eu a desenvolver isto?

A Lio, marca italiana nascida no berço ótico do mundo, Belluno, desenvolveu a linha “klip”. Tão simples como uma abotoadora. A 10 Euros cada par é possível mudar os detalhes da haste do seu óculos TODO DIA! Dado, claro que o óculos seja comprado da Lio.

O sistema é simplérrimo, na lateral das hastes há um quadradinho em imã, no mesmo espaço normalmente usado por marcas para expor suas logos. Neste caso o design e a escolha ficam por sua conta. Há dezenas de klips, nas mais variadas cores e estampas para serem colocados na lateral do óculos. Fabuloso, né? Achei fantástico principalmente para os homens, que muitas vezes são avessos a extravagâncias mas bem sabemos que eles curtem uns detalhes. Né? Gatas, saibam que a Lio também tem uma linha feminina e uma caixa para colecionadores guardarem seus pares de klips em ordem. Show!


Já assistiu?
Tem mais