Moda Archives | By The Eyewear
Óculos para o Lollapalooza

Um dos festivais mais aguardados do primeiro semestre está chegando, o Lollapalooza.

E se passar o dia inteiro curtindo o som de algumas das melhores bandas e artistas do momento em um espaço aberto, sob o sol, é a sua ideia de um final de semana feliz, certamente os specs serão a sua melhor companhia.

Como o melhor termômetro são as ruas – no caso, os gramados dos festivais de música –, nada melhor do que tentar de certa forma ativar a Susan Miller que há dentro de nós para prever what’s gonna be hot nos 3 dias de evento.

Looks de festival costumam seguir dois caminhos de estilo: folk ou rocker. Como falamos antes, festival é programa que dura o dia todo, então seja qual for o estilo escolhido por você, conforto é a palavra de ordem.

Considerando esses pontos, as opções tendem a ser modelos com armações mais leves, mais fáceis de combinar, mas que não deixem o estilo de lado jamais – afinal, ver e ser visto is part of the fun.

Fáceis de combinar, os mais neutros são sucesso entre os frequentadores do Lolla, que elegeram modelos como Clubmaster, Aviador e Round, da Ray Ban, como seus favoritos.

Outro modelo que faz sucesso é o redondinho, com mood retrô, a la John Lennon, que costuma aparecer complementando looks com pegada mais folk, na companhia de chapéus. Se for com lentes coloridas então, sucesso garantido!

Detalhes como lentes espelhadas deixam esses modelos mais modernos e cool, e lentes coloridas, resgatadas dos anos 2000, se firmam como must have e também dão toque fun aos specs.

Ainda na pegada fun, os corações, boquinhas e os mini specs não podem ficar de fora, em se tratando de fun a Chilli Beans tem uma gama imensa de opções!

London Street Style

O melhor da moda de rua, opa, o melhor do STREET STYLE SPECS de Londres por Leo Faria.

Os nosso olhos em Londres, aka, o fotógrafo mago, Leo Faria nos mandou uma seleção dos óculos mais lindos e irreverentes que foram vistos nas ruas de Londres durante a semana de moda de 2018. Já mencionamos, mas vale lembrar: a moda é você quem faz, dito isto, a melhor moda e as melhores inspirações estão nas ruas, e não nas passarelas.

O que ficou claro para nós:

A vibe 70s segue firme nos óculos ovais imensos e nas famosas lentes coloridas bem clarinhas. Se você, caro leitor, está de fato nos acompanhado, sabe melhor que ninguém que as lentes claras saíram do Coachella, invadiram o mundo e esta invasão parece que durará algumas temporadas, então vá lá, escolha um shape que você ama e coloque uma lente clarinha colorida.

Os gatinhos também terão vida MUITO longa! Já os mini óculos que vimos com muita força em NYC e no final do ano (em todos os posts dos famosos), parecem estar lentamente fazendo sua tão esperada saída de cena.

Semana que vem iremos para Milão com o Leo 🙂

 

NY Street Style

Algumas coisas que você, leitor, já deve saber: o melhor termômetro para moda real e tendências que irão ficar é o Street Style, e ninguém melhor e com olhar mais apurado do que o fotógrafo especialista no tema, Leo Faria. Sorte a nossa de termos ele como colaborador no quesito Street Style Specs em todas as semanas de moda! Vai ser lindo.

A Vogue Mexico e a Vogue América não conseguem se conter quando o assunto são specs. Ambas já alegaram em diversas ocasiões que este acessório, seja ‘nerdy, da vovó, quarto olhos’, WHAT EVER, é o mais cool da temporada e me arrisco a dizer que é o mal cool ponto. Dito isto, as pessoas estão começando a pescar este ‘trend’ e estamos vendo uma variedade bacanérrima de óculos nas ruas, como nos mostra Leo Faria nas fotos a seguir.

Durante #NYFW três macro tendências estavam em evidência:

Lentes coloridas

Não importa o shape dos óculos, o material ou a cor, mas as lentes coloridas, principalmente as amarelas seguem firmes. Isto meu bem, não é apenas uma tendência Coachella, isto veio para ficar. E sempre digo, as lentes coloridas são um calmante instantâneo, porque cortam a luz mais forte, e acalmam, mesmo. Não é hippie, é contemporâneo, aliás, vimos as lentes coloridas no desfile do Jeremy Scott (collab com Alain Mikli). Então, invista em um par.

Os gatinhos

Este hype ao redor do modelo gatinho vem lá de trás da collab de Adam Selman com Le Specs, lembram? E ganhou corpo, novas formas, novas cores e segue firmão. Verdade seja dita os gatinhos são um dos melhores modelos para as mulheres, porque levantam a expressão e enfeitam.

90s vibe

De novo, uma tendência presente em alguns desfiles, principalmente Alexander Wang, esta coisa grunge-urbana anos 90. Considero os óculos mais retangulares e pesados 90s total. E são bacana, viraram cult e statemente, vide o que está na rua.

 

 

Alexandre Vauthier x Alain Mikli

Alexandre Vauthier transformou o Grand Palais em um clube de discoteca retro-futurista para mostrar sua coleção de alta costura SS18.

Ontem à noite, o icônico Grand Palais foi transformado em uma discoteca à lá anos 80, com luzes de neon e modelos vestidas com ombreiras exageradas, uso excessivo de tecidos formando drapeados, decotes, tules e couro. Mas a cereja do bolo ficou a cargo dos acessórios. Chapéus militares, botas de couro, broches dourados e os óculos! Que óculos mais maravilhosos criados a quatro mãos com o mago Alain Mikli.

Alexandre Vauthier Couture Spring 2018

Pausa rápida para uma pequena contextualização. O designer de óculos Alain Mikli é um dos mais importantes da sua geração; muitos podem argumentar que ele é o responsável por transformar os óculos em objeto sexy e em um real acessório de moda. Desde o lançamento da marca homônima em 1978, Mikli é conhecido por criar campanhas provocativas, criar peças que marcaram época e foi quem “vestiu” o rosto da musa Grace Jones durante as décadas de 80 e 90. Mais recentemente ele colaborou com Jeremy Scott na criação de óculos coloridas que revisitam seu icônico óculos de sol assimétrico dos 80s, que estampou editoriais nos rostos de famosos como Dave Bowie.

Dito isto, na noite passada, o mundo conheceu esta colaboração nova e extremamente interessante. Os óculos são inspirados no próprio desfile de Vauthier e no trabalho de fotógrafos de moda como Helmut Newton e Guy Bourdin. Para esta coleção foram criados três modelos que visitam nitidamente os arquivos dos anos 80 de Mikli: Edwidge, Edwidge jewelled, Roselyne e Nadége.

Edwidge e Edwidge jeweled são o modelo ‘porta-voz’ do conceito da colaboração: uma mulher francesa moderna com ar retro e muita, muita força. Este design retangular bem raso e as lentes super escuras são emblemáticas deste mood undergroud. Roselyn, também inspirada pelo arquivo de Mikli, é um óculos ultra-feminino oversized adornado com cristais. Nadége é futurista, industrial e limpo com uso excessivo de metal e de conceitos militares, super presentes na passarela de Vaulthier.

A campanha de lançamento da colaboração dos óculos foi fotografada pela dupla Mert & Marcus e traz a divina maravilhosa Kate Moss como musa. A coleção estará disponível a partir de abril de 2018.

“As mulheres que usam minhas coleções em todo o mundo são sensuais e poderosas e essa colaboração com Alain Mikli foi feita para essas mulheres ousadas e inspiradoras”.

Dior Haute Couture 2018

“O que é importante, quando começamos, não é necessariamente entender, mas amar”

A declaração de Jean Cocoteau tatuada na clavícula de uma modelo abriu a ode de Maria Grazia Chiuri ao surrealismo no desfile de alta costura da Dior, que visava tecer o movimento artístico maravilhosamente estranho do século XX em arte usável de alta qualidade.

Dior Haute Couture, Paris Fashion Week 2018, mask

Um show no qual a elegante plateia foi convidada a participar de um delicado passeio de transparências, véus, nudez sexy e um jogo de chiaroscuro, evidenciado pelo uso excessivo de tecidos em preto e branco. Um lindo show mascarado regido a trompe l’oeils. Este mesmo diálogo foi usado para criar máscaras requintadas e elegantes feitas de camadas de tule estruturado que recortavam os olhos extremamente gráficos e bem desenhados das modelos. Como bonecas com olhos imensos, as modelos desfilaram a excessiva feminidade Dior. Essas máscaras, ou como eu as chamo, “molduras oculares” foram criadas em colaboração com o britânico Stephen Jones em homenagem ao Baile de Máscaras que a Dior ofereceu à noite aos seus clientes.

“Porque a alta costura é um sonho de moda “, afirmou a designer em suas anotações que acompanharam o desfile, “é um lugar onde não há limites para empurrar fronteiras e experimentar com técnica, material e forma”.

 

MYKITA + MAISON MARGIELA

A semana da moda de Paris veio cheia de novidades e grandes tendências. Algumas mais interessantes do que outras.

Um dos acessórios mais interessantes desta semana de moda foram os óculos de sol mostrados no desfile SS18 da Maison Margiela. Produzidos como parte de uma colaboração contínua e muito bem sucedida com a alemã Mykita, os óculos de sol fazem parte da nova linha ECHO.

Batizado de MMECHO001, o modelo lembra os óculos estilo gato clássicos usados por ícones do cinema da década de 50. Com lente em forma de visor, sem aro, com uma ponte que passa sobre a lente, o modelo MYLON deixa clara a tensão entre o vintage e o futurismo. Curiosamente, os componentes da linha Mylon são impressos em 3D, adicionando ainda mais elementos a esta discussão: high tech x estilo cinquentinha sexy.

 

MMECHO001- Maison Margiela x Mykita

MMECHO001- Maison Margiela x Mykita

MMECHO001- Maison Margiela x Mykita

MMECHO001- Maison Margiela x Mykita

MMECHO001- Maison Margiela x Mykita

Save

Save

Thom Browne eyewear 2017

Thom Browne fez mais um happening durante a semana de moda de NY. Desta vez ele trouxe a vibração de Palm Beach dos anos 60 para Manhattan, e o fez em grande estilo, no melhor clima: sonho de um dia de verão, em pleno Chelsea.

De acordo com uma entrevista publicada no site WWD, Browne queria criar uma atmosfera: “Slim-Aarons-encontra-David-Hockney-encontra-fun-pool-party”, referenciando o mood lânguido capturado por Aarons em suas famosas fotos em Palm Beach.

Esta foi a pool party mas plástica, geométrica e milimétricamente calculada que já existiu. Não houve nenhum respingo ou fios fora do lugar. Os biquínis, eram obviamente de cashmere, afinal, why not? Trompe l’oeil foi literalmente trabalhado em todas as peças. O que à primeira vista pareciam ser saias, camisas, ternos e casacos divinamente sobrepostos, revelaram-se peças únicas, bordadas com todo efeito e precisão de um mestre do ilusionismo.

O que nos leva ao óculos de sol: Um show dentro do show.

Todas as modelos (sim, todas) entraram de óculos e enquanto despiam as demais peças para revelar camadas e subcamadas, os óculos permaneceram deslumbrantes em seus rostos. Os modelos foram desenhados especificamente para este desfile, e trouxeram a maestria técnica de Thom Browne, conhecido por trabalhar muito bem metais e lentes base zero, à cena.

Se as roupas eram românticas e tinham aquele apelo vintage, as armações eram inusitadas e bem vanguardistas. As lentes todas espelhadas, e a brincadeira maior se deu nos recortes, e apliques tanto nas frentes como nas hastes que referenciavam diretamente elementos do oceano, como: peixes, baleias, âncoras, e boias. Pura diversão!

Bravo!

Moschino 2016: Arte e Moda

2016 começou audacioso, com um desfile do Jeremy Scott para Moschino que desafia a realidade.

Scott levou às passarelas uma coleção que desafia os padrões de realidade. Os volumes e as sombra são pintadas à mão, as cores gritam, os óculos são caricatos. Os traços não só buscaram inspiração, mas beberam na fonte imaginária dos lendários artistas Gilbert and George. Os modelos são mais personagens, e a moda dele, um pedacinho da imaginação conjunta de seres evoluídos que não devem nada ao dia a dia. 

We don’t have to ask anyone’s permission to do anything _Gilbert & George

Quem nunca pirou num backstage?

Quem nunca?

Raras as meninas que não sonhavam ou sonham em ser modelo. Poucas têm a chance de vivenciar de perto editoriais, desfiles e semanas de moda. Quem passa por um backstage não sai incólume.

Quem está sentado esperando o desfile começar nem imagina a tensão, a adrenalina, e o nervosismo que reinam por trás das passarelas. Os protagonistas buscam ferramentas para manter a calma e o foco, enquanto os coadjuvantes tentam abraçar o frio na barriga da melhor maneira que conhecem. As técnicas de distração são múltiplas: reza, leitura, palavras cruzadas, instagram, crochê, bate papo, facebook, snap chat, silêncio, sorrisos, abraços…. porém nada é capaz de tirar o foco das meninas e meninos que terão um pouco mais de 2 minutos para brilhar, ousar, marcar presença com um passo mais forte, uma jogada de cabelo ou um olhar matador. A pressão é imensa, mas também é a recompensa.

Neste ambiente meio mítico, meio circense onde todos se viram para acertar os últimos detalhes, onde tudo parece de fato ter ficado para o último minuto, temos olhares ocultos que documentam esta vida paralela. Mostram quão humanos são as figura míticas que iremos idolatrar em questão de minutos na passarela. Os cliques inesperados, mas por eles bem calculados, são valiosíssimos e flagram um misto de emoções, concentração, o momento da transformação e todo este buzz que muitas pessoas se quer sonham acontecer. Sergio Caddah é um destes olhares que passeia livremente por backstages há mais de 10 anos e tem um tino para capturar aquele olhar desprotegido, o detalhe do make, um fio de cabelo que não quer se aquietar, um foco de luz que aponta para uma bancada cheia de informações, uma modelo sozinha, um passo, um produtor,  e pah, elas embarcam na passarela. Show time!

O olhar é todo dele, o mestre do backstage: @caddah

A agência por trás do mestre: @agfotosite

#PFW

Enfim… férias

A maratona de #FashionWeeks chegou ao fim e as fashionistas podem aproveitar as merecidas férias levando consigo todas as tendências, novidades, e esquisitices que só semanas excêntricas como as de moda nos proporcionam.

Paris foi o ponto final das coleções #SS16. E os ânimos se dividiram entre “nossa, mara, morri!” para momentos de “você usaria isto, tipo na rua?”. A moda desfilada desafiou o conforto e os padrões. Foi um pot-pourri de criações, e craziness, como era de se esperar.

Entre saguões de desembarque e modelos amarradas no cangote de outras modelos, o mundo viu de tudo, mesmo. Mas o que nos interessa é ver óculos sendo apresentados como parte íntegra das coleções e como peças desejo.

Aos destaques:

Akris

Ode à arquitetura.

Troféu #SouFã, dado que todas as modelos entraram de óculos escuros na passarela.

A influência para este desfile da marca suíça veio do arquiteto japonês Sou Fujimoto. As peças todas buscaram referencias, traços e diálogos nas obras arquitetônicas de Sou. Os óculos apresentados, minimais e futuristas, são uma imitação dos mesmos usados por Sou.

Redemption + JPulse Eyewear

Sofisticação, muito acetato, desenhos maxi e setentinhas, em linha com os couros e camurças apresentados.

Rochas

Ladylike at its best.

Pura fluidez, feminilidade e sofisticação em uma coleção repleta de #ThrowBacks e namoro com coutures de coleções já passadas. O mesmo vale para os óculos: maxi, com lentes coloridas e translúcidas o suficiente para que vejamos o olhar sexy de quem os conduz.

Miu Miu

Neoclássico, cores, excessos, mídi, confusão de paletas e tecidos, e óculos pesados, com lentes escuras e priorização dos metais ante os acetatos.

Loewe

Anderson queria “afiar as quinas” com este desfile. #Kudos.

A coleção SS16 estava meio caminho entre o futurismo estiloso e uma viagem ao espaço. Os óculos híper recortados e geométricos pareceram adequados a estas modelos vestindo macacões prestes a embarcar em alguma nave intergaláctica.

Stella McCartney

Stella did it again!

Nada de drama. Uma coleção limpa, moderna, elegante e pasme… usável! Tons claros e pasteis enfeitaram corpos femininos. No rosto as modelos trouxeram verdadeiras máscaras para o sol. Peças gráficas, imensas e divertidas. Propícias para o verão descolado da Stella, e para qualquer momento despojado.

Chanel

Last but not least

Karl fez de seus desfiles verdadeiros eventos. Desta vez convidou o mundo da moda para decolar do Aeroporto Paris Cambon abordo da linha aérea mais chique de todos os tempos: Chanel Airlines. Na passarela looks divertidos que flertam com o DNA da Maison, leia-se tweeds e Cs cruzados, e paqueram tendências do #StreetStyle. O resultado: Birkenstocks que acendem (à lá tênis dos anos 90), casacos ¾ e a cereja do bolo, dado que estamos em um ambiente de aviação: maxi aviadores espelhados, com lentes coloridas (quem lembra do Tuttolente da RetroSuperFuture, pois é)?

 

Voilá!

A bientôt, Paris!


Já assistiu?
Tem mais