Eyewear Archives | By The Eyewear
Thom Browne eyewear 2017

Thom Browne fez mais um happening durante a semana de moda de NY. Desta vez ele trouxe a vibração de Palm Beach dos anos 60 para Manhattan, e o fez em grande estilo, no melhor clima: sonho de um dia de verão, em pleno Chelsea.

De acordo com uma entrevista publicada no site WWD, Browne queria criar uma atmosfera: “Slim-Aarons-encontra-David-Hockney-encontra-fun-pool-party”, referenciando o mood lânguido capturado por Aarons em suas famosas fotos em Palm Beach.

Esta foi a pool party mas plástica, geométrica e milimétricamente calculada que já existiu. Não houve nenhum respingo ou fios fora do lugar. Os biquínis, eram obviamente de cashmere, afinal, why not? Trompe l’oeil foi literalmente trabalhado em todas as peças. O que à primeira vista pareciam ser saias, camisas, ternos e casacos divinamente sobrepostos, revelaram-se peças únicas, bordadas com todo efeito e precisão de um mestre do ilusionismo.

O que nos leva ao óculos de sol: Um show dentro do show.

Todas as modelos (sim, todas) entraram de óculos e enquanto despiam as demais peças para revelar camadas e subcamadas, os óculos permaneceram deslumbrantes em seus rostos. Os modelos foram desenhados especificamente para este desfile, e trouxeram a maestria técnica de Thom Browne, conhecido por trabalhar muito bem metais e lentes base zero, à cena.

Se as roupas eram românticas e tinham aquele apelo vintage, as armações eram inusitadas e bem vanguardistas. As lentes todas espelhadas, e a brincadeira maior se deu nos recortes, e apliques tanto nas frentes como nas hastes que referenciavam diretamente elementos do oceano, como: peixes, baleias, âncoras, e boias. Pura diversão!

Bravo!

pq by Ron Arad

Os óculos do pq by Ron Arad são uma maravilhosa obra de arte que mistura arquitetura, impressão 3D, design e uma extra dose de irreverência.

Masahiro Maruyama Eyewear

Uma forma nascida do diálogo com a imperfeição.

Para a maioria das pessoas o simples conceito de assimetria, aspereza, ou mesmo a imperfeição são absolutamente inconcebíveis. Vivemos em um mundo dominado pela plasticidade, por tendências da moda ready-made e com pouquíssima individualidade. No entanto, esta falta de diferenciação provou-se perfeita para que o designer japonês Masahiro Maruyama criasse obras de arte em Kawada na prefeitura de Fukuia no Japão.

Desde o lançamento de sua primeira coleção em 2011, o designer apresentou quatro linhas de óculos de sol e grau, todas desenvolvidas a partir do traço do desenho de Masahiro. Partindo dos ‘rafs’ ele criou volume com acetato e metal e deu vida a peças assimétricas, e deslumbrantes.

Eu entrevistei Masahiro durante a feira ótica do Mido, da nossa conversa vale ressaltar as inspirações por trás da coleção de 2016:

A composição por linhas retas. As linhas retas definidas pelos seres humanos formam uma base redonda antes de se tornarem linhas curvas. O design está na simplicidade das linhas retas. Eles dão uma expressão fresca aos óculos e a interpretação varia de pessoa para pessoa. Portanto é uma coleção de obra de arte de uma forma incompleta.

À primeira vista os óculos produzido por Masahiro parecem sóbrios ou mesmo sérios. A paleta de cores é muito discreta e elegante. Muito metal, preto e Bordeaux. A beleza, como dito anteriormente, está nos detalhes que fazem seu projeto destacar-se de todo o resto. Para apreciar seus designs deve-se inclinar, investigar a armação, como se faz em um museu ou uma galeria de arte. Nada deve ser interpretado a distância e seus óculos não podem ser tidos como simples, ou apenas “aquilo”, vão muito além.

Masahiro também trabalha com justaposição de cores e metais no que ele chama de “dentro para fora”. A delicadeza nos lembra, e é citada por ele, como associada à ténica japonês de arranjos florais, a  Ikebana . Mas mais do que simplesmente colocar flores em um recipiente, Ikebana é uma forma de arte disciplinada em que a natureza e a humanidade são reunidas. Contrariamente à ideia do arranjo floral perfeito, no qual a coordenação da cor desempenha um grande papel, Ikebana, muitas vezes enfatiza outras áreas menos exploradas da planta, tais como seus caules e folhas, ou, as imperfeições, dando vida e poesia a elas.

Os óculos de Masahiro são um respiro necessário à nossa cultura apressada, perfeccionista e plástica do Ocidente.

Óculos de papel?

Existe, óculos de papel? A marca italiana Paper Style alega que o papel é matéria prima perfeita para (dentre tantas outras utilizações que já até perdemos a conta) produção de óculos!

Talvez seja moda. Quem sabe é um movimento que visa colocar em pauta assuntos relacionados à reciclagem, à inovação e creio eu, à reinvenção de técnicas e materiais. Que seja. A publicação Eyewear nomeou o projeto: O óculos do futuro. Então vale olhar de perto o que a dupla do Tyrol: Werner Oberrauch e Fabio Gasparini, tem para mostrar ao mercado depois de três anos de pesquisas, desenhos e prototipagens.

Há algum tempo a alemã PAPP UP começou com uma ‘brincadeira’ de lançar óculos de papel, afinal, são ultra leves e servem, dentre outros como marcador de livro, e são personalizáveis (na falta de um bloquinho…escreva na armação). Esta foi uma técnica (boa) para chamar atenção às suas armações (inéditas) que usam papel no lugar do acetato. Agora foi a vez da italiana Paper Style fazer a mesma coisa. Será esta é uma nova tendência eco-friendly?

O processo do produção dos óculos da PAPER STYLE é bem mais complexo do que se imagina. Foram necessários mais do que papel, tesoura e cola para desenvolver uma peça comercial. A matéria prima é o papel italiano Fedrigoni. Cada óculos passa por um processo que envolve 90 etapas. O material final é rígido, conta com dobradiças inoxidáveis, estável, confortável e tem (pasme) a leveza do papel. Ha!

Interessante, com certeza. Durável? Realmente não sei responder. Uma coisa é certa, não saia com eles em dia de chuva ou calor excessivo. O papel dentre tantas outras utilizações está aí para absorver água, né?

É gata

 É gata, você já pode comprar seu mimosinho a lá Gisele

Já deixamos mais do que claro que óculos é um necessório, a Marie Claire fez entrevista na qual cientistas provam (por A + B) que os óculos são um dos 7 acessórios que te tornam instantaneamente mais atraente, e numa boa, não custa nada tentar ficar gata como a über model né?

Precisa de mais um incentivo? Corre pra Colcci, a linha Eyewear está maravilhosa e com um preço que cabe no seu bolso. Não vai fazer feio no final do ano e por favor, não vá à praia de novo usando seu aviador… vamos inovar?

A linha eyewear agora conta com a presença do modelo Janis: ultraleve, as hastes são finalizadas com detalhes metálicos e o formato é o badalado oversized (releitura da Jackie O) tão usado abusado e desejado no mundo da moda. Um dos modelos vem com exclusiva textura em couro. A cartela de cores abusa dos tons marrons/tartaruga, passando pelo azul escuro e marsala, além do básico preto, com as lentes espelhadas e polarizadas degradês.

A coleção Janis, estrelada por Gisele Bündchen, pode ser encontrada nas lojas da marca, e-commerce e principais óticas do país e custa R$349,00. #DicaTop, vai!


Já assistiu?
Tem mais