Gentle Monster Archives | By The Eyewear
Óculos para o Burning Man

Prepare-se para babar na timleline dos seus amigos ‘cool’ a partir do dia 27 de agosto. O Motivo? Caravanas hypadas chegam ao Burning Man.

Se você, como eu, for ficar de fora desta sociedade utópica, diferente e absolutamente paralela, pena, mas, se estiver fazendo as malas, sabia que os specs são o acessório mais importante do seu look. 1) as tempestades de área são fenomenais, 2) porque já que estamos em um ambiente livre de julgamentos, com gente bacanérrima, roupas mezzo Mad Max mezzo Índio, você vai querer entrar de cabeça (e rosto). Tá aqui seu guia de óculos de sol para os dias de curtição no deserto de Black Rock.

Eu estava examinando as últimas edições e tentando descobrir um padrão em eyewear. Eu falhei nisto. No entanto, percebi duas grandes tendências: Steampunk e fantasia/vista-se como você quiser.

Steampunk

Os personagens Steampunk têm muito a ver a vibe geral do festival. Caso não saiba, Steampunk é um sub gênero de Ficção Científica que mistura tecnologia e design do período das máquinas a vapor do início do século XIX. Grande parte da literatura descreve o Steampunk como uma Era pós-apocalíptica. Esta descrição se encaixa perfeitamente com o cenário instaurado na Playa. A maioria das armações ditas Steampunk são redondas, têm proteção lateral e algumas, realmente superam a criatividade e têm lentes de caleidoscópio. Se você curte moto ou escalada seus specs com proteção lateral em couro serão mais que suficientes.

 

 

Faça o que você quiser

O conforto não está claramente em nenhuma das agendas dos viajantes. Você está lá para acampar, tomar pouquíssimos banhos, talvez passar fome e ter uma experiência fantástica. Dito isto, este é o local perfeito para você tirar usar e ousar em todas as suas fantasias. Aproveite para usar aqueles modelos de óculs de sol super diferentes que seus amigos provavelmente não aprovariam se te vissem na rua (tolinhos). Saia da casinha, mesmo.

Máscaras

Se futurismo estiver em pauta e seus looks forem carregados de couro, metais e talvez preto, sugiro olhar para os óculos-máscara.

Love is love

Amor estará no ar. Românticos: vistam estes specs.

Goggles

Você pode sempre usar goggles de neve, ou então comprar um par e estilizar com penas, paetês, correntes e afins. A criatividade é o limite. Embora não sejam a opção mais bacana, com certeza são os modelos mais confortáveis e seguros (lembre-se das tempestades de areia).

Metais e espelho

Lembra daqueles modelos tubulares e vazados dos anos 80 com pegada bem industrial? Então, estão super na vibe do festival.

 

Divirta-se e USE ÓCULOS DE SOL!

Save

Save

O que ficou dos desfiles de setembro

O que devemos levar da #NYFW

A Osklen de Oskar Metsavaht levou a NY a tribo indígena Asháninka, uma das maiores da América do Sul, que mora em comunidades que vão desde os rios brasileiros até as bacias hidrográficas nos Andes peruanos. A coleção segue na toada da discussão em torno do minimalismo, da natureza e da beleza sem esforço, mesmos conceitos apresentados no #SPFW.

Os óculos de sol foram de fato a cereja do bolo. Oskar desfilou peças leves, fluidas e com formas orgânicas, dignas de habitar uma floresta, com uma paleta de cor natural e acetatos translúcidos. Embora os modelos sejam grandes (alguns se assemelham às mascaras apresentadas pelo Gucci em 2014), a leveza está na cor e na translucidez.

As peças são maravilhosas, leves e femininas. Compõe sem nenhuma agressão.

Mudando completamente o foco….

Se viemos de uma coleção ‘natural’ focada na geografia e na história de tribos indígenas, fast forward para o futuro, o movimento e a tecnologia.

Opening Ceremony apresentou uma coleção de cair o queixo e se jogar na passarela, literalmente. A marca colaborou com o New York City Ballet e quem desfilou foram dançarinas. Não, na verdade elas não desfilaram, coreografaram diversas quedas na passarela aguçando a curiosidade dos convidados. “Serão estas modelos mesmo tão estabanadas”? Não queridinha, são performers! Ha!

Os movimentos chamavam a atenção, claro, mas o que de fato tirou o fôlego foram os óculos desenvolvidos em parceria com a sul Koreana, Gentle Monster (mesma marca por trás da collab com HBA, sobre a qual escrevemos).

A direção criativa do desfile estava pautada nos desenhos e na cultura do arquiteto Americano Frank Loyd Wright. Logo, formas arquitetônicas deveriam transparecer. Os óculos visitam design e técnicas usadas por designers no século 20 para criar móveis atemporais. As lentes redondas homenageiam os espelhos da década de 50.

O melhor de tudo? Os óculos estavam à venda durante o desfile através da Spring

Pausa e corte seco para uma mulher ultra feminina e mergulhada em uma fase ‘rosa’

Ícone de sofisticação, a grand dame Carolina Herrera conseguiu apresentar sua coleção no Frick Collection (primeira vez que isto acontece), deixando claro que suas produções deveriam se equiparar a obras de arte (point taken!)

O desfile explorou delicadeza, sensualidade e transparência moderada. Herrera acredita que sexy é ser sedutora e, para tanto, foco no mistério. Dito isto, as modelos revelavam sem revelar.

A poesia das roupas contrastava com a escolha dos óculos de sol. Os modelos são fortes, com cores vibrantes e acetato opaco. Lentes espelhadas e outras completamente escuras. Nenhuma fluidez. Peças modernas, muito rosa (claro), mas nada de outro mundo. Talvez a maior ousadia tenha sido na escolha da ponte alta.

The secret of being boring is to say everything.

 _ Herrera

Você pode sentar conosco

O enfant terrible da moda, um jovem avesso às rígidas regras, um que ainda não tem sua própria página no Wikkipedia, Shayne Oliver, fez mais uma entrada triunfal de tirar o fôlego em seu desfile no #NYFW.

O designer por trás da marca Hood By Air mergulhou na sua infância no Caribe, na nostalgia dos anos 90 e no trending topic all over social media: the Kardashians, para montar sua coleção SS16.

O desfile, que aconteceu em uma sala dentro da Penn Station, tinha como ambientação um refeitório de qualquer colégio, com bancos, luz fria, e muitos olhos prontos para julgar e lançar fofocas. Um ambiente bem adolescente, propício para fofocas e trocas de farpas. Foi nesta locação, que Oliver quebrou as rígidas regras da indústria, (leia-se casting, makeup, nudes e sexo).

Ocuparam a passarela modelos sem gênero definido, muita nudez e maquiagens interrompidas ainda na etapa ‘pele’.

À primeira vista poderíamos achar que os modelos estavam com uma pintura tribal ou máscaras ‘nudes’ circenses, mas na verdade, o buraco é muito mais embaixo. Os modelos estavam expondo as famosas técnicas de contorno que as Kardashians vêm explorando a exaustão desde muito tempo.

O conceito que norteou a direção criativa é a busca pela perfeição artificial, muito difundida pelas irmãs Kardashian em suas redes sociais e agora no Youtube. As etapas que antecedem o brilho e a pele perfeita, contam com a aplicação maciça de bases de diferentes tons em pinceladas grosseiras e nada atraentes.

A responsável por criar o beauty para o desfile, Inge Grognard da MAC Cosmetics, resumiu o que Shayne queria que as pessoas sentissem ao ver aquelas modelos seminuas e com peles literalmente expostas:

“Por que será que os jovens – que já são praticamente perfeitos- acham que precisam de todas estas coisas para ficar ainda mais bonitos? [Os looks apresentados] questionam esta busca incessante pela beleza e se encaixam perfeitamente na coleção SS16”

Enquanto os corpos estavam expostos com macacões e uniformes completamente recortados, esquecendo do pudor da rigidez das normas que regem qualquer ambiente educacional, no rosto os modelos trouxeram máscaras e viseiras. As peças todas pesadas, com lentes super escuras foram produzidas pela Gentle Monster, e serviram como contra ponto a toda esta exposição.

Se os corpos caminhavam sem pudor, as identidade permaneceram bem guardadas atrás de grossas armações conceituais. Outras marcas também trouxeram os óculos para dentro da coleção como Opening Ceremony e House of Herrera. Viram? Óculos é a nova bolsa! Saiu no NYFW!

Show!!!!

Se eu estivesse a caminho do Burning Man…

Entre os dias 30 de agosto e 7 de setembro a cidade de Black Rock, no deserto de Nevada, FERVE. E não é só de calor. A cidade é tomada pelo épico e mítico festival cultural que tem em seu cerne a auto expressão, arte, criatividade sem limites e descobertas pessoais .

Mais de 65 mil pessoas se encontram no Burning Man para proclamar e explorar a liberdade e o amor, em suas mais diversas formas. Um pouco Woodstock? Maybe. Mas com muita tecnologia, em um cenário lunar, digamos que no cruzamento entre Mad Max e Alice no País das Maravilhas, com um toque de Priscilla a Rainha do Deserto.

O palco (pois Black Rock vira uma Babel, onde todos querem ver e ser fotografados) abriga os dançarinos New-Age, os hedonistas, os idealistas, os hippies, os junkies e, sim, os fashionistas.

Junte suas plumas, suas camurças, seus couros e se prepare para muito topless. Tudo pode e todos são bem vindos neste cenário que procria e exala inspiração e trocas de todos os tipos.  Neste universo lúdico, sem referências, modismos ou julgamento, nada mais propício que explorar óculos cuja ousadia está traduzida no design.

Separamos algumas peças verdadeiramente magníficas para qualquer ocasião. Mas, sabendo que nem todos têm (ainda) coragem de desfilar estes pares por ruas pacatas e asfaltadas, nada mais propício que fazer um ‘test-drive’ no Burning Man.

“I’m not a virgin anymore!”–yelled by one of our camp-mates as she makes playa angels on the ground once we’re finally let in.


Já assistiu?
Tem mais