Gucci Archives | By The Eyewear
Óculos rosa

Pierpaolo Piccioli, atual diretor criativo da Valentino, disse em uma entrevista que “Pink é punk”. Rosa para ele é uma cor quente, forte, com presença de palco, bem distante daquela nossa imagem de boneca. E de fato, o pink está sempre presente nas coleções dele.

 

Mas, não é apenas Pierpaolo que está de olho no tal do rosa, pink ou rosa bebê, dê o nome que você quiser . O rosa veio COM TUDO na moda e claro, nos specs. Inúmeras marcas incluíram uma ou mais chapas de acetato rosa nas suas coleções, os destaques ficaram a cargo de Gucci, Stella McCartney, Karen Walker e a brasileiríssima Lapima.

A quantidade de marcas que brincaram com o rosa na cor das lentes e não na estrutura dos óculos, é imensa. A Retrosuperfuture levou o rosa para o mundo tech, com uma osobre posiçnao de materiais INCRÍVEL, enquanto a Moschino e a Sunday Somewhere apostaram no mood vintage. Ou seja, rosa é sem dúvida a cor mais quente e tendo em vista que no último mês de moda havia rosa para todo lado, só podemos dizer que será super fácil e divertido combinar seus óculos rosinhas com as novas peças que virão da passarela. #FicaDica

sun worshiper

A post shared by Aureta (@aureta) on

Mr. Caine in rose is one of favorites 💞 ✨find it at link in bio✨

A post shared by Alfred Kerbs (@alfredkerbs) on

New Spring color ways of our Iconic Vinyl Frame. Handmade in Italy🇮🇹

A post shared by illesteva (@illesteva) on

Carlota pink available at Lapima.com. #lapima #shapedinbrazil #shopnowonline #eyewear

A post shared by LAPIMA (@lapimaofficial) on

Óculos para festas

Fiel leitora, ótimas novidades: me juntei ao time de colaboradoras do Steal The Look. Nada mais justo que responder às dúvidas mais fashion no quesito specs aqui e na plataforma mais cool do planeta, né?

Coluna de estreia: Party Trend. Ir ou não ir de óculos?!?!? Se você quiser continuar sendo minha amiga sugiro que a resposta seja IR, if not, ‘Houston we have a problem’. Este tema já foi debatido aqui no passado. Mas, com os Golden Globes em Janeiro e os Grammys há alguns dias a discussão sobre usar óculos em ocasiões ditas formais é latente e ainda bem, inevitável.

Como fanática por óculos que sou, o fato da Oprah ter vencido o Cecil B DeMille Award neste mês, com nada menos do que um par de óculos sublimes, todo cravejado de cristais, me fez dar pulos de alegria! A belezura em questão é da marca Veneziana Sosipri – em referência à Ponte dos Suspiros. Que alívio ver que, lentamente, há espaço para mudanças em um mundo no qual mulheres que usam óculos são cercadas por rótulos.

Oprah Winfrey

Oprah Winfrey

Vejam só, nas últimas premiações hollywoodianas de peso, a quantidade de mulheres de óculos sempre foi mínima. A desculpa ocasional é: vai estragar o look ou não vai combinar com a cascata de joias dos patrocinadores. Existe uma falsa noção de estética que atinge as mulheres que usam óculos e muitas vezes o acessório é deixado de lado e precisamos sofrer com os problemas de visão apenas por uma questão visual absolutamente imposta.

Se olharmos para trás são sempre as mesmas mulheres que aparecem no tapete vermelho de óculos: Meryl Streep, Diane Keaton e a própria Oprah. Todas, interessantemente, com mais de 60 anos, aí pode né? Elas podem, mas as Lupitas Nyong’os podem, as Patricias Arquettess podem, as Rashidas Jones podem e todas as mulheres que, de fato, usam óculos e quiserem levá-los às galas ou outras festas podem e devem.

Existem milhões de marcas super bacanas que foram pensadas unicamente para galas. A nova-iorquina A-Morir só faz peças com Swarovskis por exemplo. A própria Swarovski tem uma linha de gala, o mesmo vale para Tiffany e a sueca Anna Karin Karlsson. Até mesmo a Gucci tem levado peças esculturais para a passarela mostrando que os óculos podem sim ser o acessório mais sexy de todos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Óculos para você brilhar

Você nasceu para brilhar. Não importa o que dizem, não importa se sua auto estima oscila, não importa seu cabelo e menos ainda o lugar para onde estiver indo. Brilhe, o caminho todo.

Caso você precise de ajuda para enaltecer sua luz interna (que já é bem forte, tenho certeza), a moda está aqui para te ajudar. Os brilhos, os excessos e os strass estão fazendo um come back bem elegante. A Gucci, por exemplo, extrapolou no tamanho e na quantidade de pedras nos seus óculos apresentados na última coleção, deixando claro que o look das 9 às 5 merece um up. E que up, hein?

Diversas marcas, como a Jimmy Choo, apostaram no glitter, outras como a Miu Miu, em pedras coloridas e algumas simplesmente não seguem regras e querem mais é chamar atenção, como é o caso da sempre ousada e mega extravagante Anna Karin-Karlsson.

O que ficou claro é que as pedras saíram do look habiée e conquistaram as ruas e a luz do sol. O fato destes óculos extravagantes terem lentes solares deixa claro que não precisamos mais esperar um bale de gala para se ‘emperiquitar’. Vai ao supermercado? Ao salão? Trabalhar? Então merece um belo par de óculos!

Apesar deste movimento diurno ficar evidente, ainda assim precisamos chamar atenção à noite. A dica aqui é escolher em um par de óculos (deste select extravagante) que te atraia e trocar as lentes solares por graduadas. Se vc não tiver grau nenhum e ainda assim quiser entrar para nosso time, então faça um par sem grau mas com proteção UVA/UVA e antireflexo. Os óculos são o acessório mais chamativo de todos e garanto que te farão brilhar, de dia ou à noite.

Selecionamos alguns pares bem interessantes para começar este seu namoro com os brilhos. Não deixe de conferir o vídeo no final desta matéria com dicas maravilhosas para combinar óculos com jóias à noite! Uau!

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Olhos quadrados: Os óculos desta estação

O Jornal Britânico The Guardian publicou uma matéria maravilhosa mês passado que me fez pensar sobre o limite tênue entre moda e nossas escolhas de óculos.


Square eyes: this season’s spectacles are big, bold and ugly. O jornalista discorre sobre os óculos gigantes e nada elegantes que inundaram as passarelas SS16 e que já comentamos aqui.

De fato, ao que tudo indica, os estilistas parecem achar que tamanho é documento, e o que importa é cobrir seu rosto, mesmo. As escolhas de Alessandro Michele para Gucci deixam isto bem claro. Os rostos, outrora angelicais das modelos, viraram cabide para armações esquisitas, de cor indefinida, e tamanho desproporcional. Agelina Jolie em seu novo filme mostra com maestria o que não buscar em um óculos (!!!)

Sabemos que não acredito em formatos de rosto, tampouco em modismos, por isso mesmo posso dizer que esta moda, mais do que nunca é para pouquíssimas. A moda do oversize, mezzo vovó, mezzo grunge, dever ser usada apenas A) pelas vovós que se entendem nesta moda, ou B) pseudo hipsters que vestem a camisa vintage e têm nariz e orelha para bancar uma peça daquele tamanho. Caso contrario o óculos não vai dizer nada para as pessoas! Não é vintage, é uma releitura estranha, não favorece seu olhar e corta sua sobrancelha. Quando digo GO BIG OR GO HOME, é com ressalvas, vide a coleção atual.

Xoxo

Matéria originalmente publicada na coluna de Chantal Goldfinger no Portal Opticanet.

 

Os óculos que desfilaram nas passarelas da MFW

Os óculos que mais marcaram a semana de moda de Milão.

Gucci

A Maison está passando por uma fase de transição. O novo diretor criativo Alessandro Michele substituiu muito do legado do sex appeal deixado por sua antecessora, por uma figura feminina mais sofisticada e ‘geek’ (não sou fã desta conotação, mas é assim que o próprio Michele descreve suas modelos). A coleção SS16 misturou elementos com cunho vintage, romance e tecidos dos mais diversos. Michele declarou não se interessar pelo futuro (sei!) daí a busca por esta mulher que passeia por guarda roupas antigos, vintages, ou da vovó mesmo J Os óculos são imensos, quadrados ou redondos, com lentes coloridas à los anos 70, e alguns com glitter igualmente Dancing Days. Funcionam do ponto de vista da moda, mas não enaltecem os olhos e certamente não favorecem os narizes e as feições delicadas das modelos andróginas que os desfilaram.

“Dangerous Couture Ahead” Moschino alert

Jeremy Scott conseguiu fazer da moda uma grande brincadeira. Seus desfiles bem como suas coleções são jocosos e coloridos, um verdadeiro espetáculo. SS16 viu a passarela se transformar em um pátio de obras. Tanto é verdade que as roupas ganharam elementos brutos e reflexivos vindos destes ambientes. Muito laranja, amarelo e branco. Cones viram bolsas e chapéus. Fitas zebradas e rolos de linha passaram a ter o mesmo peso. Mas, em meio a esta muvuca Scott também nos levou para passear num mundo rosa, bem sessentinha, cheio de plumas com um feeling de Garotas Super Poderosas.

Prada

Miucca seguiu com seus estudos em prol de uma mulher mais feminina e sofisticada, brincando como sempre com cores e tecidos. Os óculos, grandes (como todos apresentados nesta estação), lentes dégradé, e apenas uma chapa de acetato brilhante nas laterais. Peças leves, com cores bem sóbrias.

Fendi

A Fendi continua disputando os narizes com a Dior. Ambas estão em uma batalha acirrada para ver quem terá os óculos de sol da estação. Dado que as duas marcas estão muito bem (obrigada) no que diz respeito ao design e tecnologia, a luta será apertada! Em Milão a Fendi seguiu com os óculos apresentados no passado, mas com cores novas, muito metal, e ainda mais recortes. Um verdadeiro trabalho de geometria que conversou lindamente com as roupas: precisas e sofisticadas.

Marco de Vincenzo

Este é um dos meus designers favoritos. Há tempos ele brinca com cores, misturando-as em paletas leves e divertidas. Esta coleção assistiu a um desfile eletrizante, como uma queima de fogos. Os óculos: um modelo apenas, retangular, trabalhou lentes com cores fortes, reafirmando o DNA colorido e avant garde da marca. São peças lindas, mas não tão fáceis de usar.

Bottega Veneta

Tomas Maier, o criativo por trás da Maison, quer dar à sua cliente conforto e elegância. Dito isto, a coleção apresenta uma moda fácil de usar e bonita de ver. O mesmo vale para os óculos. Não há nenhuma ousadia, mas são exatamente o que esperamos da Maison. Clássicos e funcionais, bem como as coleções ópticas apresentadas no passado.

Marni

A moda Marni é quase um quebra cabeça, composto por roupas largas, e um excesso de sobreposições. A coleção SS16 é exatamente isto: camadas e camadas com o ocasional toque de grafismo e muitas cores vibrantes advindas de um jogo de lego. Bem como Prada, a Marni trabalhou o acetato apenas em partes, trazendo leveza aos modelos over size que replicam as cores vibrantes da estação.

Dolce and Gabbana: That’s Amore

A dupla, como sempre, criou um cenário e todo um misticismo ao redor do desfile. O clima italianíssimo a lá anos 50, projetava uma clássica cena italiana possivelmente encontrada em cidades do sul, com bancas de frutas, cores e SELFIES! Sim, muitos selfies na passarela e nos bancos. Tudo nesta coleção é over! Estampas, cores e cortes. Os óculos de sol são todos muito barrocos, enormes, cheios de aplicações que vão deste pedras a tecidos, de forma que as lentes são trabalhadas como extensões da própria roupa. Esta técnica é bem interessante e vem sendo explorada há algumas coleções por Ulyana Sergeenko.

O que ficou dos desfiles de setembro

O que devemos levar da #NYFW

A Osklen de Oskar Metsavaht levou a NY a tribo indígena Asháninka, uma das maiores da América do Sul, que mora em comunidades que vão desde os rios brasileiros até as bacias hidrográficas nos Andes peruanos. A coleção segue na toada da discussão em torno do minimalismo, da natureza e da beleza sem esforço, mesmos conceitos apresentados no #SPFW.

Os óculos de sol foram de fato a cereja do bolo. Oskar desfilou peças leves, fluidas e com formas orgânicas, dignas de habitar uma floresta, com uma paleta de cor natural e acetatos translúcidos. Embora os modelos sejam grandes (alguns se assemelham às mascaras apresentadas pelo Gucci em 2014), a leveza está na cor e na translucidez.

As peças são maravilhosas, leves e femininas. Compõe sem nenhuma agressão.

Mudando completamente o foco….

Se viemos de uma coleção ‘natural’ focada na geografia e na história de tribos indígenas, fast forward para o futuro, o movimento e a tecnologia.

Opening Ceremony apresentou uma coleção de cair o queixo e se jogar na passarela, literalmente. A marca colaborou com o New York City Ballet e quem desfilou foram dançarinas. Não, na verdade elas não desfilaram, coreografaram diversas quedas na passarela aguçando a curiosidade dos convidados. “Serão estas modelos mesmo tão estabanadas”? Não queridinha, são performers! Ha!

Os movimentos chamavam a atenção, claro, mas o que de fato tirou o fôlego foram os óculos desenvolvidos em parceria com a sul Koreana, Gentle Monster (mesma marca por trás da collab com HBA, sobre a qual escrevemos).

A direção criativa do desfile estava pautada nos desenhos e na cultura do arquiteto Americano Frank Loyd Wright. Logo, formas arquitetônicas deveriam transparecer. Os óculos visitam design e técnicas usadas por designers no século 20 para criar móveis atemporais. As lentes redondas homenageiam os espelhos da década de 50.

O melhor de tudo? Os óculos estavam à venda durante o desfile através da Spring

Pausa e corte seco para uma mulher ultra feminina e mergulhada em uma fase ‘rosa’

Ícone de sofisticação, a grand dame Carolina Herrera conseguiu apresentar sua coleção no Frick Collection (primeira vez que isto acontece), deixando claro que suas produções deveriam se equiparar a obras de arte (point taken!)

O desfile explorou delicadeza, sensualidade e transparência moderada. Herrera acredita que sexy é ser sedutora e, para tanto, foco no mistério. Dito isto, as modelos revelavam sem revelar.

A poesia das roupas contrastava com a escolha dos óculos de sol. Os modelos são fortes, com cores vibrantes e acetato opaco. Lentes espelhadas e outras completamente escuras. Nenhuma fluidez. Peças modernas, muito rosa (claro), mas nada de outro mundo. Talvez a maior ousadia tenha sido na escolha da ponte alta.

The secret of being boring is to say everything.

 _ Herrera

Eu vejo flores

Chegou a primavera! E sabe o que virá de monte? Flores e cores.

Cores, perfumes, leveza e a promessa de um verão delicioso. As passarelas já anunciaram as tendências primavera/verão 2016. Estampas, texturas, artsy, retrô… numa boa… um pot-pourri, porque moda é isto aí, uma mistura e reciclagem constantes.

Óculos enquanto acessório vem acompanhando estas estações, conforme as coleções. Mas por ser um item tão especial, tão desejado e tão marcante, os próprios designers (salvo, claro, as marcas que existem enquanto labels de roupa), se permitem mais flexibilidade criativa e narrativa.

Fracamente acredito em mudanças, e variedade, mas moda enquanto tendência.. não sei não… óculos não sai de moda nunca. Diquinha… não jogue seus modelos ‘antigos’ fora e corra já para a gaveta da vovó e pegue tudo que ela usava quando moçoila!

Inegavelmente a primavera chegou e #flores estão em alta. Separamos os óculos de sol mais divertidos que traduzem este clima delicioso, feminino e casual.


Já assistiu?
Tem mais