Ottica Urbani Archives | By The Eyewear
Peso x Leveza

O seu drama não era o drama do peso, mas o da leveza. O que se abatera sobre ela não era um fardo, mas a insustentável leveza do ser.

A Insustentável leveza do ser

Milan Kundera

A aproximação do final do ano sempre invoca uma autorreflexão com questionamentos acerca de uma etapa que se encerra: e agora? Será que cumpri as metas deste ano? O que ”fazer” e pretendo “ser” no ano que vem? Será…? E se…? Quando? Estas reflexões que todos nós fazemos, em maior ou menor grau, conduziu-me a pensar em um tema que, neste ano, mais do que nunca, devido ao lançamento do BTE, sempre me acompanhou: até que ponto meus óculos me definem?

A resposta é simples: Não me definem… Mas através deles, eu me posiciono. Sou uma apaixonada por óculos ou, como dizem por aí, heavy user! Logo, afirmo: nenhum objeto externo é capaz de nos dizer quem somos. Mas com estas “ferramentas” podemos moldar quem queremos ser.

Pensando nesta proposta, e tendo em mente a responsabilidade e o “peso” de usar modelos exóticos, de buscar direcionar olhares, de querer que as pessoas pensem alguma coisa só de olhar para o meu rosto, revisitei a obra prima de Milan Kundera. A partir da dualidade unitária do Ser, daquele que sabe o que é, e daquele outro que surge da presença de uma entidade – neste caso, meus óculos – apresento o ensaio a seguir: .

“A leveza do rosto desnudo x o peso de um rosto cuja visão está restrita ao campo de uma armação. A leveza do ser como ele é x o peso de um rosto que se posiciona. A leveza de sermos iguais x o peso de buscar se destacar. A leveza de um balão x o peso dos óculos… tal é este ensaio, que busca equilíbrio, seja nas armações translúcidas, na paleta de cores pastel, na brincadeira das expressões”.

Um convite para pensar e, quiçá, em 2016, sair da sua zona de conforto e entrar para a turma dos que #UsamÓculosComOrgulho. Experimente uma armação nova busque ver o mundo com um outro olhar, ouse se apresentar de outra maneira, com uma cor ou um modelo novo no rosto.

Fica o convite. E se precisar de uma ajudinha, estou por aqui 🙂

Saturação, frescor, despojamento: Colorblocking

Muitos associam esta tendência a movimentos dos anos 60 e 80. E de fato, dado que a moda é absolutamente cíclica, tudo que vai…volta!

Pessoalmente não sou fiel seguidora de tendências. Acredito muito mais em mood e estado de espírito do que regras pré-fixadas… existe talvez um quê de anarquismo nisto (mas bem levinho). Pensando no verão, na diversão que é montar editoriais, e olhando para o meu acervo fiz deste Look and Feel uma coisa super pessoal: My take on colorblocking.

O intuito é chamar atenção a duas perguntas corriqueiras: Será que óculos colorido combina com minha vida, e existem regras para combinar óculos e roupas? Sim e não.

Os óculos combinam com você e ponto. Não se apegue à cor da armação. Se e quando você estiver confortável com seus óculos, a roupa vai dialogar com eles, e não o contrário. Trust me!

A moda às vezes tenta nos ensinar a balancear as cores e acaba engessando a criatividade. E se tivéssemos liberdade criativa para traduzir nosso humor nas paletas escolhidas? O resultado seria uma paleta de vermelho cereja,  verde esmeralda, azul turquesa e pessoas que não ligam para padrões.

O ensaio a seguir parte do pressuposto que cores são cores, e juntas servem para iluminar a peça chave: os óculos. Deixe de lado o medo de ousar, jogue fora aquela ideia de que óculos é aparelho fixo, por favor não ache que óculos tem que ser chatos, e não venha me dizer que você não tem coragem de sair na rua assim. Já tentou??? Pois bem…

Detalhes

Olhar: Tatiana Viana

Imaginação: Chantal Goldfinger

Composição: Rodrigo Caldas

Contraste: Tin Tin

 

Guia de óticas em Veneza

“Sempre que descrevo uma cidade estou me referindo a Veneza. Uma vez que as imagens da memória são traduzidas em palavras, as memórias se perdem. Talvez eu tenha medo de perder Veneza. Ou quem sabe ao falar de outras cidades eu já a tenha perdido, pouco a pouco.”Polo, Cidades Invisíveis, Ítalo Calvino

Não existem meias palavras ou emoções incompletas quando se trata de Veneza. Não é uma cidade, é uma experiência. Não é antiga ou moderna, ela é em todo seu esplendor, o presente. Os turistas que por lá passam costumam se dividir entre os que amam e os que odeiam esta cidade cercada por 146 ilhas entrelaçadas por 450 pontes.

Para o poeta Brodsky, Veneza está acima da categoria de cidade, é uma vivência, um universo paralelo, um divisor de águas para quem pode se dar ao luxo de caminhar sem pressa por esta cidade que desconhece o movimento de carros, absorvendo seus ruídos, a melodia dos sinos, seus odores e sua infinita paleta de cores. Por lá não se caminha, se flutua.

Esta cidade, muito aquém da categoria de cidade, por ser ela metade conto de fadas e metade realidade, propicia uma sensação constante de ineditismo e descobertas ao se permitir caminhar e se perder em suas infinitas vielas que se desdobram magicamente. Veneza não é moderna, é eterna. Veneza é simplesmente, Veneza. Já dizia Peggy Guggenheim, uma das maiores e mais fiéis amantes que Veneza já teve:

Presume-se sempre que Veneza é a cidade ideal para uma lua de mel, mas é um erro grave. Viver em Veneza, ou simplesmente visitá-la, significa se apaixonar por ela, e no coração não sobra espaço para mais nada.

Fui tomada por este amor súbito, e é para esta cidade que volto a cada dois anos. Um dos motivos é para reviver a cidade mediante à famosa Bienal de Veneza, que a veste como uma criança que se fantasia para uma apresentação escolar. A cada dois anos me deparo com uma nova cidade, com novos artistas, discussões cada vez mais calorosas, premissas e obras inusitadas. Em meio a toda esta arte, encontro também, minha maior fonte de inspiração: a produção ótica que em Veneza (bem como tudo naquela cidade) é pra lá de especial. Ousaria dizer que há algo na água de Veneza (poluição à parte), porque a criatividade dos designers é aquém do resto do mundo. Se as ruas guardam segredos, então os mais bem escondidos são as óticas que abrigam peças esplendorosas.

Veja uma seleção das melhores óticas de Veneza.

Ottica Urbani

Marco Frezzeria 1280, Venezia
Tel. 041 5224140

A loja data de 1952. Por lá já passaram Hemingway, Vedova, Carlo Scarpa e o cliente mais famoso: Elton John. São os três filhos do original Urbani que hoje gerenciam a loja. Todos os modelos são fabricados à mão em Belluno (centro de produção ótico há 3 horas de Veneza), e todas as peças têm uma coisa em comum: design “irônico”, como diz a própria Fosca Urbani. “Um óculos não pode ser apenas um óculos, deve ser uma peça divertida, atraente e excepcional”. Eis o que o visitante encontrará na Urbani. E tenha certeza que será magnificamente bem atendido pelos Urbanis, verdadeiros venezianos, que como bons italianos, são ótimos contadores de história e bons galanteadores. As peças são produzidas em pequena escala, os desenhos são exclusivos e não há outros pontos de venda que não sejam na loja física ou no e-commerce da marca. O endereço ideal para quem busca exclusividade, bons preços e modelos excêntricos.

Ottica Mantovani

Merceria del Capitello, 4860, 30124 Venezia VE, Itália

A Mantovani inaugurou em 1871 e permanece até hoje no mesmo endereço. Ainda é uma ótica familiar, com produção em Belluno. A designer é a Senhora Carlon (filha do Sr. Carlon, que comprou a ótica nos anos 40). Dentre a clientela estão Peggy Guggenheim nos anos 50 e, mais recentemente, Elton John (amante de Veneza e dos óculos). A predileção da Sra Carlon são os clientes com personalidade e audácia, aptos a provar suas criação assimétricas e brincalhonas. Quem for à loja com tempo poderá visitar o pequeno ‘museu’ nos fundos, onde está um acervo invejável com peças raríssimas que datam do início do século 20.

Ottica Carraro

Calle de la Mandola, 3706, 30124 Venezia VE, Itália

A Carraro é mais moderna e menos exclusiva que as outras óticas venezianas. A marca própria é menos expressiva do que os modelos comerciais que a loja vende. Mas, vale ressaltar que o acetato fosco, que ao olho parece emborrachado, é deslumbrante. São poucos modelos e as coleções não são atualizadas anualmente, mas como todos os modelos “fatto a mano” em Belluno, a qualidade é indiscutível. A Carraro é uma boa dica para homens e mulheres com gostos clássicos, amantes dos modelos redondos e de estampas tartaruga.

Micromega

Calle delle Ostreghe, 2436, 30124 Venezia VE, Itália

Imagine entrar no laboratório de um cientista maluco, aquele personagem verdadeiramente clichê, com um óculos transparente high tech, gadgets, e tudo clean ao seu redor. Esta é a sensação que se tem ao entrar na Micromega, uma ótica uber high tech a poucos passos do Campo de San Stefano. É quase incongruente um lugar tão tecnológico em uma cidade tão antiga. A Micromega é destino para quem quer gastar (muito) para ter uma peça exclusivérrima, e ao mesmo tempo tem personalidade de sobra para bancar modelos que se aproximam mais de protótipos do que peças comerciais. A expertise está na produção de modelos em titânio, chifre de búfalo e bamboo. Mas, a graça não está, digamos, no design das armações. A Micromega trabalha as lentes. Ou seja, cada par de lentes é desenhada e recortada a laser formando desenhos delicados de folhas, formas assimétricas, ou contornos geométricos. As peças são muito leves e extremamente delicadas. São muito interessantes (do ponto de vista da fabricação) mas nem sempre lisonjeiros.

 

Ottica Manuela

Salizzada San Samuele, San Marco, 3145

O mix de peças da Manuela é sublime. A decor é super divertida, você se sente em um closet meio decô rodeado por óculos bem descolados e originais. O mix vai se Io Eyewear a PQ, passando por Saturnino. O forte é o design italiano independente, mas isto não significa que não há espaço para o resto do mundo. O time de vendas é descolado e bem humorado. Vale a visita.

 


Já assistiu?
Tem mais