Semana de moda Archives | By The Eyewear
London Street Style

O melhor da moda de rua, opa, o melhor do STREET STYLE SPECS de Londres por Leo Faria.

Os nosso olhos em Londres, aka, o fotógrafo mago, Leo Faria nos mandou uma seleção dos óculos mais lindos e irreverentes que foram vistos nas ruas de Londres durante a semana de moda de 2018. Já mencionamos, mas vale lembrar: a moda é você quem faz, dito isto, a melhor moda e as melhores inspirações estão nas ruas, e não nas passarelas.

O que ficou claro para nós:

A vibe 70s segue firme nos óculos ovais imensos e nas famosas lentes coloridas bem clarinhas. Se você, caro leitor, está de fato nos acompanhado, sabe melhor que ninguém que as lentes claras saíram do Coachella, invadiram o mundo e esta invasão parece que durará algumas temporadas, então vá lá, escolha um shape que você ama e coloque uma lente clarinha colorida.

Os gatinhos também terão vida MUITO longa! Já os mini óculos que vimos com muita força em NYC e no final do ano (em todos os posts dos famosos), parecem estar lentamente fazendo sua tão esperada saída de cena.

Semana que vem iremos para Milão com o Leo 🙂

 

NY Street Style

Algumas coisas que você, leitor, já deve saber: o melhor termômetro para moda real e tendências que irão ficar é o Street Style, e ninguém melhor e com olhar mais apurado do que o fotógrafo especialista no tema, Leo Faria. Sorte a nossa de termos ele como colaborador no quesito Street Style Specs em todas as semanas de moda! Vai ser lindo.

A Vogue Mexico e a Vogue América não conseguem se conter quando o assunto são specs. Ambas já alegaram em diversas ocasiões que este acessório, seja ‘nerdy, da vovó, quarto olhos’, WHAT EVER, é o mais cool da temporada e me arrisco a dizer que é o mal cool ponto. Dito isto, as pessoas estão começando a pescar este ‘trend’ e estamos vendo uma variedade bacanérrima de óculos nas ruas, como nos mostra Leo Faria nas fotos a seguir.

Durante #NYFW três macro tendências estavam em evidência:

Lentes coloridas

Não importa o shape dos óculos, o material ou a cor, mas as lentes coloridas, principalmente as amarelas seguem firmes. Isto meu bem, não é apenas uma tendência Coachella, isto veio para ficar. E sempre digo, as lentes coloridas são um calmante instantâneo, porque cortam a luz mais forte, e acalmam, mesmo. Não é hippie, é contemporâneo, aliás, vimos as lentes coloridas no desfile do Jeremy Scott (collab com Alain Mikli). Então, invista em um par.

Os gatinhos

Este hype ao redor do modelo gatinho vem lá de trás da collab de Adam Selman com Le Specs, lembram? E ganhou corpo, novas formas, novas cores e segue firmão. Verdade seja dita os gatinhos são um dos melhores modelos para as mulheres, porque levantam a expressão e enfeitam.

90s vibe

De novo, uma tendência presente em alguns desfiles, principalmente Alexander Wang, esta coisa grunge-urbana anos 90. Considero os óculos mais retangulares e pesados 90s total. E são bacana, viraram cult e statemente, vide o que está na rua.

 

 

Dior Haute Couture 2018

“O que é importante, quando começamos, não é necessariamente entender, mas amar”

A declaração de Jean Cocoteau tatuada na clavícula de uma modelo abriu a ode de Maria Grazia Chiuri ao surrealismo no desfile de alta costura da Dior, que visava tecer o movimento artístico maravilhosamente estranho do século XX em arte usável de alta qualidade.

Dior Haute Couture, Paris Fashion Week 2018, mask

Um show no qual a elegante plateia foi convidada a participar de um delicado passeio de transparências, véus, nudez sexy e um jogo de chiaroscuro, evidenciado pelo uso excessivo de tecidos em preto e branco. Um lindo show mascarado regido a trompe l’oeils. Este mesmo diálogo foi usado para criar máscaras requintadas e elegantes feitas de camadas de tule estruturado que recortavam os olhos extremamente gráficos e bem desenhados das modelos. Como bonecas com olhos imensos, as modelos desfilaram a excessiva feminidade Dior. Essas máscaras, ou como eu as chamo, “molduras oculares” foram criadas em colaboração com o britânico Stephen Jones em homenagem ao Baile de Máscaras que a Dior ofereceu à noite aos seus clientes.

“Porque a alta costura é um sonho de moda “, afirmou a designer em suas anotações que acompanharam o desfile, “é um lugar onde não há limites para empurrar fronteiras e experimentar com técnica, material e forma”.

 

Os óculos que desfilaram nas passarelas da MFW

Os óculos que mais marcaram a semana de moda de Milão.

Gucci

A Maison está passando por uma fase de transição. O novo diretor criativo Alessandro Michele substituiu muito do legado do sex appeal deixado por sua antecessora, por uma figura feminina mais sofisticada e ‘geek’ (não sou fã desta conotação, mas é assim que o próprio Michele descreve suas modelos). A coleção SS16 misturou elementos com cunho vintage, romance e tecidos dos mais diversos. Michele declarou não se interessar pelo futuro (sei!) daí a busca por esta mulher que passeia por guarda roupas antigos, vintages, ou da vovó mesmo J Os óculos são imensos, quadrados ou redondos, com lentes coloridas à los anos 70, e alguns com glitter igualmente Dancing Days. Funcionam do ponto de vista da moda, mas não enaltecem os olhos e certamente não favorecem os narizes e as feições delicadas das modelos andróginas que os desfilaram.

“Dangerous Couture Ahead” Moschino alert

Jeremy Scott conseguiu fazer da moda uma grande brincadeira. Seus desfiles bem como suas coleções são jocosos e coloridos, um verdadeiro espetáculo. SS16 viu a passarela se transformar em um pátio de obras. Tanto é verdade que as roupas ganharam elementos brutos e reflexivos vindos destes ambientes. Muito laranja, amarelo e branco. Cones viram bolsas e chapéus. Fitas zebradas e rolos de linha passaram a ter o mesmo peso. Mas, em meio a esta muvuca Scott também nos levou para passear num mundo rosa, bem sessentinha, cheio de plumas com um feeling de Garotas Super Poderosas.

Prada

Miucca seguiu com seus estudos em prol de uma mulher mais feminina e sofisticada, brincando como sempre com cores e tecidos. Os óculos, grandes (como todos apresentados nesta estação), lentes dégradé, e apenas uma chapa de acetato brilhante nas laterais. Peças leves, com cores bem sóbrias.

Fendi

A Fendi continua disputando os narizes com a Dior. Ambas estão em uma batalha acirrada para ver quem terá os óculos de sol da estação. Dado que as duas marcas estão muito bem (obrigada) no que diz respeito ao design e tecnologia, a luta será apertada! Em Milão a Fendi seguiu com os óculos apresentados no passado, mas com cores novas, muito metal, e ainda mais recortes. Um verdadeiro trabalho de geometria que conversou lindamente com as roupas: precisas e sofisticadas.

Marco de Vincenzo

Este é um dos meus designers favoritos. Há tempos ele brinca com cores, misturando-as em paletas leves e divertidas. Esta coleção assistiu a um desfile eletrizante, como uma queima de fogos. Os óculos: um modelo apenas, retangular, trabalhou lentes com cores fortes, reafirmando o DNA colorido e avant garde da marca. São peças lindas, mas não tão fáceis de usar.

Bottega Veneta

Tomas Maier, o criativo por trás da Maison, quer dar à sua cliente conforto e elegância. Dito isto, a coleção apresenta uma moda fácil de usar e bonita de ver. O mesmo vale para os óculos. Não há nenhuma ousadia, mas são exatamente o que esperamos da Maison. Clássicos e funcionais, bem como as coleções ópticas apresentadas no passado.

Marni

A moda Marni é quase um quebra cabeça, composto por roupas largas, e um excesso de sobreposições. A coleção SS16 é exatamente isto: camadas e camadas com o ocasional toque de grafismo e muitas cores vibrantes advindas de um jogo de lego. Bem como Prada, a Marni trabalhou o acetato apenas em partes, trazendo leveza aos modelos over size que replicam as cores vibrantes da estação.

Dolce and Gabbana: That’s Amore

A dupla, como sempre, criou um cenário e todo um misticismo ao redor do desfile. O clima italianíssimo a lá anos 50, projetava uma clássica cena italiana possivelmente encontrada em cidades do sul, com bancas de frutas, cores e SELFIES! Sim, muitos selfies na passarela e nos bancos. Tudo nesta coleção é over! Estampas, cores e cortes. Os óculos de sol são todos muito barrocos, enormes, cheios de aplicações que vão deste pedras a tecidos, de forma que as lentes são trabalhadas como extensões da própria roupa. Esta técnica é bem interessante e vem sendo explorada há algumas coleções por Ulyana Sergeenko.

Você pode sentar conosco

O enfant terrible da moda, um jovem avesso às rígidas regras, um que ainda não tem sua própria página no Wikkipedia, Shayne Oliver, fez mais uma entrada triunfal de tirar o fôlego em seu desfile no #NYFW.

O designer por trás da marca Hood By Air mergulhou na sua infância no Caribe, na nostalgia dos anos 90 e no trending topic all over social media: the Kardashians, para montar sua coleção SS16.

O desfile, que aconteceu em uma sala dentro da Penn Station, tinha como ambientação um refeitório de qualquer colégio, com bancos, luz fria, e muitos olhos prontos para julgar e lançar fofocas. Um ambiente bem adolescente, propício para fofocas e trocas de farpas. Foi nesta locação, que Oliver quebrou as rígidas regras da indústria, (leia-se casting, makeup, nudes e sexo).

Ocuparam a passarela modelos sem gênero definido, muita nudez e maquiagens interrompidas ainda na etapa ‘pele’.

À primeira vista poderíamos achar que os modelos estavam com uma pintura tribal ou máscaras ‘nudes’ circenses, mas na verdade, o buraco é muito mais embaixo. Os modelos estavam expondo as famosas técnicas de contorno que as Kardashians vêm explorando a exaustão desde muito tempo.

O conceito que norteou a direção criativa é a busca pela perfeição artificial, muito difundida pelas irmãs Kardashian em suas redes sociais e agora no Youtube. As etapas que antecedem o brilho e a pele perfeita, contam com a aplicação maciça de bases de diferentes tons em pinceladas grosseiras e nada atraentes.

A responsável por criar o beauty para o desfile, Inge Grognard da MAC Cosmetics, resumiu o que Shayne queria que as pessoas sentissem ao ver aquelas modelos seminuas e com peles literalmente expostas:

“Por que será que os jovens – que já são praticamente perfeitos- acham que precisam de todas estas coisas para ficar ainda mais bonitos? [Os looks apresentados] questionam esta busca incessante pela beleza e se encaixam perfeitamente na coleção SS16”

Enquanto os corpos estavam expostos com macacões e uniformes completamente recortados, esquecendo do pudor da rigidez das normas que regem qualquer ambiente educacional, no rosto os modelos trouxeram máscaras e viseiras. As peças todas pesadas, com lentes super escuras foram produzidas pela Gentle Monster, e serviram como contra ponto a toda esta exposição.

Se os corpos caminhavam sem pudor, as identidade permaneceram bem guardadas atrás de grossas armações conceituais. Outras marcas também trouxeram os óculos para dentro da coleção como Opening Ceremony e House of Herrera. Viram? Óculos é a nova bolsa! Saiu no NYFW!

Show!!!!


Já assistiu?
This error message is only visible to WordPress admins

Error: No connected account.

Please go to the Instagram Feed settings page to connect an account.

Tem mais