SS16 Archives | By The Eyewear
Pare e olhe para estes óculos Ferragamo

O rejuvenescimento de uma marca

Desde pequena associo a Ferragamo às minhas avós. Senhoras distintas e elegantes que desfilam com sapatos de salto baixo, da mesma cor de suas bolsinhas de mão. As ferragens dos acessórios sempre combinado, e o logo da marca gritando em dourado em todo e qualquer detalhe. Sempre me imaginei usando aquele uniforme quando chegasse a hora certa.

Inesperadamente surgiu este editorial com uma marca que eu respeito, mas até então enxergava apenas como uma necessidade futura. Fui vasculhar as criações da Ferragamo com outros olhos. Como uma criança curiosa que invade uma biblioteca à noite. Engoli seco todos os preconceitos que durante anos havia criado. A marca mudou e eu não havia percebido.

A marca se reinventou, rejuvenesceu, e trouxe seus elementos icônicos às páginas de moda como moda atual, e não mais voltada às classudas senhoras italianas. Esta ousadia está nítida na coleção de eyewear. O design deixa claro que a marca é tradicional, não vão ousar a aplicar lentes espelhadas ou usar impressão 3D, ainda. Os contornos vintage, os ovais, hexágonos e oversides estão todos lá. O branco, tão chique nos anos 70 voltou, a lente dégradée idem. Mas a beleza está na harmonia dos detalhes, nos acetatos de três tons, no uso do ébano, e principalmente na brincadeira de aplicar o logo dourado nas hastes ora por inteiro, ora recortado. São vestígios de um legado.

A coleção SS2016 é feminina e sofisticada. Se engana quem acha que Ferragamo não é atual e que estes óculos não podem ser misturados com looks despojados nos corpos de jovens fashionistas. A marca se desprendeu dos sapatos que a deram fama, e passou a explorar com perfeição, a moda, sempre com uma lupa que tem no passado, e na própria história da Ferragamo, seu porto seguro.

O ensaio a seguir visa explorar esta jovialidade que hoje a marca está explorando tão bem. Eu mesma deixei minhas concepções em casa e vesti meu Ferragamo, e uso-o sem o menor pudor e sem medo de parecer antiquada.

***Promoção encerrada***

Parabéns para a gata sortuda, Tatiana Fischer! Aproveite muito seu carnaval a bordo do seu modelo “camaleão”, Ferragamo!

xoxo

Junto com a Marchon Brasil armamos uma ação top!

Para participar basta responder, aqui mesmo, na seção LEAVE A REPLY, quais detalhes da coleção nova de óculos da Ferragamo mais chamam a sua atenção. O autor da melhor resposta vai poder desfilar com um lançamento da Ferragamo para fazer bonito e marcar presença por onde passar. O resultado sai dia 5 de fevereiro aqui mesmo.

Veja o regulamento neste link.

Siga a Marchon no Instagram e no Facebook para ficar por dentro das novidades.

Detalhes

Olhar: Tatiana Viana (@tativiana1)

Modelo: Cris Rudge (@crosrudge)

Looks: Salvatore Ferragamo (@ferragamo)

Cenário: Flagship Ferragamo Iguatemi São Paulo

Olhos quadrados: Os óculos desta estação

O Jornal Britânico The Guardian publicou uma matéria maravilhosa mês passado que me fez pensar sobre o limite tênue entre moda e nossas escolhas de óculos.


Square eyes: this season’s spectacles are big, bold and ugly. O jornalista discorre sobre os óculos gigantes e nada elegantes que inundaram as passarelas SS16 e que já comentamos aqui.

De fato, ao que tudo indica, os estilistas parecem achar que tamanho é documento, e o que importa é cobrir seu rosto, mesmo. As escolhas de Alessandro Michele para Gucci deixam isto bem claro. Os rostos, outrora angelicais das modelos, viraram cabide para armações esquisitas, de cor indefinida, e tamanho desproporcional. Agelina Jolie em seu novo filme mostra com maestria o que não buscar em um óculos (!!!)

Sabemos que não acredito em formatos de rosto, tampouco em modismos, por isso mesmo posso dizer que esta moda, mais do que nunca é para pouquíssimas. A moda do oversize, mezzo vovó, mezzo grunge, dever ser usada apenas A) pelas vovós que se entendem nesta moda, ou B) pseudo hipsters que vestem a camisa vintage e têm nariz e orelha para bancar uma peça daquele tamanho. Caso contrario o óculos não vai dizer nada para as pessoas! Não é vintage, é uma releitura estranha, não favorece seu olhar e corta sua sobrancelha. Quando digo GO BIG OR GO HOME, é com ressalvas, vide a coleção atual.

Xoxo

Matéria originalmente publicada na coluna de Chantal Goldfinger no Portal Opticanet.

 

RVS eyewear 2016

O que esperar o galã, excêntrico e pop Vidal Erkohen, designer por trás da marca RVS eyewear?

Em um bate papo exclusivo no Silmo em Setembro ele nos adiantou algumas coisas. A marca continua com foco nos modelos solares (a linha ótica é tão contida que não parece pertencer à mesma família), que seguem a pegada fashion da marca. As novidades são: Investimento nos modelos redondos com pontes duplas, acetato e metal bem delicados nas hastes, lentes verdes e roxas. Todos os modelos são bicolores.

A coleção é mais comercial e menos extravagante que a apresentada em 2015, com seus modelos quadrados, triangulares e muita ousadia. Os desenhos são contidos, embora maravilhosos. A qualidade segue inegavelmente alta, e os traços fazem jus ao nome: RARE VINTAGE SUNGLASSES. Perfeitos para homens e mulheres elegantes, mas nada óbvios.

#PFW

Enfim… férias

A maratona de #FashionWeeks chegou ao fim e as fashionistas podem aproveitar as merecidas férias levando consigo todas as tendências, novidades, e esquisitices que só semanas excêntricas como as de moda nos proporcionam.

Paris foi o ponto final das coleções #SS16. E os ânimos se dividiram entre “nossa, mara, morri!” para momentos de “você usaria isto, tipo na rua?”. A moda desfilada desafiou o conforto e os padrões. Foi um pot-pourri de criações, e craziness, como era de se esperar.

Entre saguões de desembarque e modelos amarradas no cangote de outras modelos, o mundo viu de tudo, mesmo. Mas o que nos interessa é ver óculos sendo apresentados como parte íntegra das coleções e como peças desejo.

Aos destaques:

Akris

Ode à arquitetura.

Troféu #SouFã, dado que todas as modelos entraram de óculos escuros na passarela.

A influência para este desfile da marca suíça veio do arquiteto japonês Sou Fujimoto. As peças todas buscaram referencias, traços e diálogos nas obras arquitetônicas de Sou. Os óculos apresentados, minimais e futuristas, são uma imitação dos mesmos usados por Sou.

Redemption + JPulse Eyewear

Sofisticação, muito acetato, desenhos maxi e setentinhas, em linha com os couros e camurças apresentados.

Rochas

Ladylike at its best.

Pura fluidez, feminilidade e sofisticação em uma coleção repleta de #ThrowBacks e namoro com coutures de coleções já passadas. O mesmo vale para os óculos: maxi, com lentes coloridas e translúcidas o suficiente para que vejamos o olhar sexy de quem os conduz.

Miu Miu

Neoclássico, cores, excessos, mídi, confusão de paletas e tecidos, e óculos pesados, com lentes escuras e priorização dos metais ante os acetatos.

Loewe

Anderson queria “afiar as quinas” com este desfile. #Kudos.

A coleção SS16 estava meio caminho entre o futurismo estiloso e uma viagem ao espaço. Os óculos híper recortados e geométricos pareceram adequados a estas modelos vestindo macacões prestes a embarcar em alguma nave intergaláctica.

Stella McCartney

Stella did it again!

Nada de drama. Uma coleção limpa, moderna, elegante e pasme… usável! Tons claros e pasteis enfeitaram corpos femininos. No rosto as modelos trouxeram verdadeiras máscaras para o sol. Peças gráficas, imensas e divertidas. Propícias para o verão descolado da Stella, e para qualquer momento despojado.

Chanel

Last but not least

Karl fez de seus desfiles verdadeiros eventos. Desta vez convidou o mundo da moda para decolar do Aeroporto Paris Cambon abordo da linha aérea mais chique de todos os tempos: Chanel Airlines. Na passarela looks divertidos que flertam com o DNA da Maison, leia-se tweeds e Cs cruzados, e paqueram tendências do #StreetStyle. O resultado: Birkenstocks que acendem (à lá tênis dos anos 90), casacos ¾ e a cereja do bolo, dado que estamos em um ambiente de aviação: maxi aviadores espelhados, com lentes coloridas (quem lembra do Tuttolente da RetroSuperFuture, pois é)?

 

Voilá!

A bientôt, Paris!

Os óculos que desfilaram nas passarelas da MFW

Os óculos que mais marcaram a semana de moda de Milão.

Gucci

A Maison está passando por uma fase de transição. O novo diretor criativo Alessandro Michele substituiu muito do legado do sex appeal deixado por sua antecessora, por uma figura feminina mais sofisticada e ‘geek’ (não sou fã desta conotação, mas é assim que o próprio Michele descreve suas modelos). A coleção SS16 misturou elementos com cunho vintage, romance e tecidos dos mais diversos. Michele declarou não se interessar pelo futuro (sei!) daí a busca por esta mulher que passeia por guarda roupas antigos, vintages, ou da vovó mesmo J Os óculos são imensos, quadrados ou redondos, com lentes coloridas à los anos 70, e alguns com glitter igualmente Dancing Days. Funcionam do ponto de vista da moda, mas não enaltecem os olhos e certamente não favorecem os narizes e as feições delicadas das modelos andróginas que os desfilaram.

“Dangerous Couture Ahead” Moschino alert

Jeremy Scott conseguiu fazer da moda uma grande brincadeira. Seus desfiles bem como suas coleções são jocosos e coloridos, um verdadeiro espetáculo. SS16 viu a passarela se transformar em um pátio de obras. Tanto é verdade que as roupas ganharam elementos brutos e reflexivos vindos destes ambientes. Muito laranja, amarelo e branco. Cones viram bolsas e chapéus. Fitas zebradas e rolos de linha passaram a ter o mesmo peso. Mas, em meio a esta muvuca Scott também nos levou para passear num mundo rosa, bem sessentinha, cheio de plumas com um feeling de Garotas Super Poderosas.

Prada

Miucca seguiu com seus estudos em prol de uma mulher mais feminina e sofisticada, brincando como sempre com cores e tecidos. Os óculos, grandes (como todos apresentados nesta estação), lentes dégradé, e apenas uma chapa de acetato brilhante nas laterais. Peças leves, com cores bem sóbrias.

Fendi

A Fendi continua disputando os narizes com a Dior. Ambas estão em uma batalha acirrada para ver quem terá os óculos de sol da estação. Dado que as duas marcas estão muito bem (obrigada) no que diz respeito ao design e tecnologia, a luta será apertada! Em Milão a Fendi seguiu com os óculos apresentados no passado, mas com cores novas, muito metal, e ainda mais recortes. Um verdadeiro trabalho de geometria que conversou lindamente com as roupas: precisas e sofisticadas.

Marco de Vincenzo

Este é um dos meus designers favoritos. Há tempos ele brinca com cores, misturando-as em paletas leves e divertidas. Esta coleção assistiu a um desfile eletrizante, como uma queima de fogos. Os óculos: um modelo apenas, retangular, trabalhou lentes com cores fortes, reafirmando o DNA colorido e avant garde da marca. São peças lindas, mas não tão fáceis de usar.

Bottega Veneta

Tomas Maier, o criativo por trás da Maison, quer dar à sua cliente conforto e elegância. Dito isto, a coleção apresenta uma moda fácil de usar e bonita de ver. O mesmo vale para os óculos. Não há nenhuma ousadia, mas são exatamente o que esperamos da Maison. Clássicos e funcionais, bem como as coleções ópticas apresentadas no passado.

Marni

A moda Marni é quase um quebra cabeça, composto por roupas largas, e um excesso de sobreposições. A coleção SS16 é exatamente isto: camadas e camadas com o ocasional toque de grafismo e muitas cores vibrantes advindas de um jogo de lego. Bem como Prada, a Marni trabalhou o acetato apenas em partes, trazendo leveza aos modelos over size que replicam as cores vibrantes da estação.

Dolce and Gabbana: That’s Amore

A dupla, como sempre, criou um cenário e todo um misticismo ao redor do desfile. O clima italianíssimo a lá anos 50, projetava uma clássica cena italiana possivelmente encontrada em cidades do sul, com bancas de frutas, cores e SELFIES! Sim, muitos selfies na passarela e nos bancos. Tudo nesta coleção é over! Estampas, cores e cortes. Os óculos de sol são todos muito barrocos, enormes, cheios de aplicações que vão deste pedras a tecidos, de forma que as lentes são trabalhadas como extensões da própria roupa. Esta técnica é bem interessante e vem sendo explorada há algumas coleções por Ulyana Sergeenko.

O que ficou dos desfiles de setembro

O que devemos levar da #NYFW

A Osklen de Oskar Metsavaht levou a NY a tribo indígena Asháninka, uma das maiores da América do Sul, que mora em comunidades que vão desde os rios brasileiros até as bacias hidrográficas nos Andes peruanos. A coleção segue na toada da discussão em torno do minimalismo, da natureza e da beleza sem esforço, mesmos conceitos apresentados no #SPFW.

Os óculos de sol foram de fato a cereja do bolo. Oskar desfilou peças leves, fluidas e com formas orgânicas, dignas de habitar uma floresta, com uma paleta de cor natural e acetatos translúcidos. Embora os modelos sejam grandes (alguns se assemelham às mascaras apresentadas pelo Gucci em 2014), a leveza está na cor e na translucidez.

As peças são maravilhosas, leves e femininas. Compõe sem nenhuma agressão.

Mudando completamente o foco….

Se viemos de uma coleção ‘natural’ focada na geografia e na história de tribos indígenas, fast forward para o futuro, o movimento e a tecnologia.

Opening Ceremony apresentou uma coleção de cair o queixo e se jogar na passarela, literalmente. A marca colaborou com o New York City Ballet e quem desfilou foram dançarinas. Não, na verdade elas não desfilaram, coreografaram diversas quedas na passarela aguçando a curiosidade dos convidados. “Serão estas modelos mesmo tão estabanadas”? Não queridinha, são performers! Ha!

Os movimentos chamavam a atenção, claro, mas o que de fato tirou o fôlego foram os óculos desenvolvidos em parceria com a sul Koreana, Gentle Monster (mesma marca por trás da collab com HBA, sobre a qual escrevemos).

A direção criativa do desfile estava pautada nos desenhos e na cultura do arquiteto Americano Frank Loyd Wright. Logo, formas arquitetônicas deveriam transparecer. Os óculos visitam design e técnicas usadas por designers no século 20 para criar móveis atemporais. As lentes redondas homenageiam os espelhos da década de 50.

O melhor de tudo? Os óculos estavam à venda durante o desfile através da Spring

Pausa e corte seco para uma mulher ultra feminina e mergulhada em uma fase ‘rosa’

Ícone de sofisticação, a grand dame Carolina Herrera conseguiu apresentar sua coleção no Frick Collection (primeira vez que isto acontece), deixando claro que suas produções deveriam se equiparar a obras de arte (point taken!)

O desfile explorou delicadeza, sensualidade e transparência moderada. Herrera acredita que sexy é ser sedutora e, para tanto, foco no mistério. Dito isto, as modelos revelavam sem revelar.

A poesia das roupas contrastava com a escolha dos óculos de sol. Os modelos são fortes, com cores vibrantes e acetato opaco. Lentes espelhadas e outras completamente escuras. Nenhuma fluidez. Peças modernas, muito rosa (claro), mas nada de outro mundo. Talvez a maior ousadia tenha sido na escolha da ponte alta.

The secret of being boring is to say everything.

 _ Herrera

Você pode sentar conosco

O enfant terrible da moda, um jovem avesso às rígidas regras, um que ainda não tem sua própria página no Wikkipedia, Shayne Oliver, fez mais uma entrada triunfal de tirar o fôlego em seu desfile no #NYFW.

O designer por trás da marca Hood By Air mergulhou na sua infância no Caribe, na nostalgia dos anos 90 e no trending topic all over social media: the Kardashians, para montar sua coleção SS16.

O desfile, que aconteceu em uma sala dentro da Penn Station, tinha como ambientação um refeitório de qualquer colégio, com bancos, luz fria, e muitos olhos prontos para julgar e lançar fofocas. Um ambiente bem adolescente, propício para fofocas e trocas de farpas. Foi nesta locação, que Oliver quebrou as rígidas regras da indústria, (leia-se casting, makeup, nudes e sexo).

Ocuparam a passarela modelos sem gênero definido, muita nudez e maquiagens interrompidas ainda na etapa ‘pele’.

À primeira vista poderíamos achar que os modelos estavam com uma pintura tribal ou máscaras ‘nudes’ circenses, mas na verdade, o buraco é muito mais embaixo. Os modelos estavam expondo as famosas técnicas de contorno que as Kardashians vêm explorando a exaustão desde muito tempo.

O conceito que norteou a direção criativa é a busca pela perfeição artificial, muito difundida pelas irmãs Kardashian em suas redes sociais e agora no Youtube. As etapas que antecedem o brilho e a pele perfeita, contam com a aplicação maciça de bases de diferentes tons em pinceladas grosseiras e nada atraentes.

A responsável por criar o beauty para o desfile, Inge Grognard da MAC Cosmetics, resumiu o que Shayne queria que as pessoas sentissem ao ver aquelas modelos seminuas e com peles literalmente expostas:

“Por que será que os jovens – que já são praticamente perfeitos- acham que precisam de todas estas coisas para ficar ainda mais bonitos? [Os looks apresentados] questionam esta busca incessante pela beleza e se encaixam perfeitamente na coleção SS16”

Enquanto os corpos estavam expostos com macacões e uniformes completamente recortados, esquecendo do pudor da rigidez das normas que regem qualquer ambiente educacional, no rosto os modelos trouxeram máscaras e viseiras. As peças todas pesadas, com lentes super escuras foram produzidas pela Gentle Monster, e serviram como contra ponto a toda esta exposição.

Se os corpos caminhavam sem pudor, as identidade permaneceram bem guardadas atrás de grossas armações conceituais. Outras marcas também trouxeram os óculos para dentro da coleção como Opening Ceremony e House of Herrera. Viram? Óculos é a nova bolsa! Saiu no NYFW!

Show!!!!


Já assistiu?
Tem mais